Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Menina de nove anos escreve "Black Lives Matter" à porta de casa e vizinha chama a polícia

Agentes encorajaram a criança a escrever a frase em letras maiores.
Correio da Manhã 25 de Junho de 2020 às 10:17
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Menina de nove anos escreve 'Black Lives Matter' à porta de casa e vizinha chama a polícia
Uma pensionista chamou a polícia após uma menina de nove anos ter escrito "Black Lives Matter" (Vidas negras importam), em giz, no chão à porta de casa.

A vizinha acusou Mira Acklin de vandalizar a rua em que vivem, em Ohio, nos Estados Unidos da América, e ligou para o número de emergência para reportar a criança às autoridades.

Jenna Acklin, a mãe da menina, partilhou a situação no Facebook onde conta que a vizinha estava a ser "desagradável" e que tinha reportado pessoas a gritar e a pintar a rua, apesar de Mira estar a desenhar sozinha e Jenna a ler no pátio.

Quando os polícias apareceram na casa de Jenna olharam para a vizinha e disseram "é giz", conta a mãe de Mira.

"Disseram-nos ainda que concordam com a afirmação "Black Lives Matter" e encorajaram-nos a escrevê-la em maior dimensão. Eu disse-lhes que me preocupo com a segurança deles e aprecio o trabalho que fazem", explica Jenna Acklin na publicação.

Mira ficou com medo e transtornada mas a mãe explicou-lhe que Billie (a vizinha que chamou a polícia) é um exemplo da razão pela qual se deve falar sobre estes temas.

Jenna diz ainda que não se arrepende de deixar a filha expressar-se e está "orgulhosa do seu coração bondoso".

Billie gritou "este bairro vai para o inferno" várias vezes, revela a mulher explicando que a filha só queria mostrar amor.

Jenna Acklin termina o post dizendo que agora está a pensar em comprar uma bandeira de apoio às comunidades LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgéneros) e BLM (Black Lives Matter). "Obrigada pelo empurrão, Billie!", conclui.

questões sociais Billie Jenna Acklin Vidas Lives Matter Black Mira Black Lives Matter
Ver comentários