Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Menino de 4 anos morto a tiro enquanto celebrava aniversário

Autor do disparo é um conhecido da família da criança. Caso ocorreu no Rio de Janeiro, Brasil.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 9 de Junho de 2020 às 22:01
Polícia brasileira
Polícia brasileira FOTO: Getty Images

Um menino de somente quatro anos de vida foi morto com um tiro disparado à queima-roupa no seu peito exatamente quando comemorava o aniversário na casa dos pais, em Magé, na área metropolitana da cidade brasileira do Rio de Janeiro. Enzo, que foi mortalmente ferido à frente de muitas outras crianças que tinha convidado e de familiares, ainda foi levado com vida pela própria mãe a uma unidade de saúde, mas não resistiu ao ferimento.

O autor do disparo é um conhecido da família de Enzo, um ex-soldado identificado como Pedro Pevidor, de 21 anos, que não tinha sido convidado para a festa mas apareceu de repente. Ele costuma exibir-se nas redes sociais usando roupas militares e mostrando armas.

Após o tiro certeiro no peito do pequeno Enzo, que foi atingido segurando um boneco do seu herói preferido, Hulk, o atirador correu para o carro e tentou fugir. Mas o pai de Enzo, o animador de festas Douglas Brasil, uma pessoa muito conhecida em toda a região, arrancou a chave da ignição e tirou a arma de Pedro, segurando-o no local até a chegada da polícia, não atendendo aos gritos de populares para fazer justiça com as próprias mãos e matar ali mesmo o homem que tinha disparado contra o filho.

À polícia, Pedro alegou que tudo foi um trágico acidente. Ele afirmou que a arma que tinha levado para a festa caiu de repente e que disparou acidentalmente, atingindo Enzo no peito.

Douglas e outras pessoas que estavam na festa, no entanto, avançam outra versão. De acordo com elas, Pedro apresentou desde a sua chegada um comportamento estranho, parecendo alterado ou desiquilibrado, e a certa altura deu um abraço apertado em Enzo e em seguida empunhou a arma e disparou contra o menino.
autoridades locais polícia crime lei e justiça política questões sociais Rio de Janeiro
Ver comentários