Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Mugabe ganha eleições viciadas

O presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe, deve ser reempossado no cargo ainda hoje, depois de conquistar uma "vitória esmagadora" nas eleições presidenciais de sexta--feira, informou fonte próxima do poder em Harare. A oposição assegurou no entanto que a intimidação e violência não impediram milhões de eleitores de boicotar o que a comunidade internacional já considerou uma "farsa eleitoral".
29 de Junho de 2008 às 00:30
Brigadas de milicianos ‘recrutaram’ e forçaram eleitores a participar
Brigadas de milicianos ‘recrutaram’ e forçaram eleitores a participar FOTO: EPA

A versão do governo é bem diferente. "A contagem indica que, apesar da propaganda dos nossos inimigos, a participação foi imensa e que vamos obter uma vitória esmagadora", afirmou fonte anónima próxima de Robert Mugabe.

Monitores eleitorais, jornalistas e testemunhas no terreno desmentem esta versão e corroboram a do Movimento para a Mudança Democrática (MDC), de Tsvangirai, assegurando que as ameaças das milícias foram uma constante mas não impediram uma elevada taxa de abstenção. Recorde-se que Tsvangirai desistiu do escrutínio devido à violência exercida sobre os seus apoiantes.

Caso a tomada de posse de Mugabe tenha lugar hoje, o presidente (que chegou ao poder em 1980) poderá participar na cimeira da União Africana (UA), a realizar segunda--feira no Egipto. O MDC fez saber que vai instar os líderes africanos a tomarem "uma posição firme" antes que "rios de sangue" corram no Zimbabwe. Nelson Chamisa , porta-voz do partido, assegurou estarem em curso preparativos para localizar e punir os abstencionistas.

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, considerou as eleições "uma farsa inaceitável" e o presidente dos EUA, George W. Bush, anunciou que fará diligências junto da ONU para que sejam aplicadas sanções ao Zimbabwe.

Ver comentários