Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Mulher cria 'escola' para ensinar outras mulheres a serem exclusivamente donas de casa

Para a fundadora da escola todas as mulheres deveriam dedicar-se à lida da casa e deixarem os maridos trabalhar.
Correio da Manhã 21 de Janeiro de 2020 às 17:37
Mulher cria 'escola' para ensinar outras mulheres a serem melhores donas de casa a tempo inteiro
Mulher cria 'escola' para ensinar outras mulheres a serem melhores donas de casa a tempo inteiro
Mulher cria 'escola' para ensinar outras mulheres a serem melhores donas de casa a tempo inteiro
Mulher cria 'escola' para ensinar outras mulheres a serem melhores donas de casa a tempo inteiro
Mulher cria 'escola' para ensinar outras mulheres a serem melhores donas de casa a tempo inteiro
Mulher cria 'escola' para ensinar outras mulheres a serem melhores donas de casa a tempo inteiro
Alena Kate Pettit fundou a Darling Academy, uma escola que pretende ensinar mulheres a serem melhores donas de casa a tempo inteiro. Esta mulher acredita que as funções domésticas desempenhadas pelas mulheres nos anos 50 eram mais corretas do que as de hoje em dia. 

Auto-intitula-se de 'diretora executiva' da família. Alena Pettit cozinha, limpa, faz as compras e realiza todas as tarefas domésticas que surgem, de forma a garantir que o seu marido e o filho chegam a casa com tudo perfeito. O marido de Alena cede-lhe uma mesada destinada a cobrir todas as necessidades da casa.

Alena, que trabalhou numa empresa de marketing durante a juventude, garante que tudo mudou quando conheceu o marido. Ambos têm uma visão muito tradicional e acreditam que o homem e a mulher devem exercer papéis específicos no seio familiar como acontecia nos anos 50 e 60. 

O seu projeto Darling Academy tem como principal objetivo ensinar outras mulheres a serem melhores donas de casa a tempo inteiro e boas esposas para os seus maridos. Além deste projeto, Alena Pettit faz parte das Tradwives, um grupo de mulheres que opta por viver sob as ideologias existentes antes da emancipação feminina. 

A mulher afirmou, em conversa com a BBC, que sempre sentiu estar fora dos padrões da sociedade moderna, onde as mulheres podem desempenhar as mesmas funções que os homens, e estes, por sua vez, podem partilhar a lida da casa com as mulheres.

Independentemente de desacreditar totalmente das ideologias da sociedade moderna, esta mulher explica que não é por não se identificar com o estigma criado ao redor das mulheres atualmente que não mereça o mesmo respeito que estas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)