Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

"Não é um tratamento": OMS alerta que dexametasona só serve para casos graves

Epidemiologista irlandês notou que a dexametasona intervém nas manifestações pulmonares da covid-19.
Lusa 17 de Junho de 2020 às 17:31
Diretor da OMS, Tedros Adhanom
Diretor da OMS, Tedros Adhanom
Diretor da OMS, Tedros Adhanom
Diretor da OMS, Tedros Adhanom
Diretor da OMS, Tedros Adhanom
Diretor da OMS, Tedros Adhanom
A Organização Mundial de Saúde alertou hoje que a dexametasona não é "um tratamento ou profilaxia" para o novo coronavírus, salientando que o esteroide testado com sucesso no Reino Unido só deve ser usado em doentes com casos graves de covid-19.

"Este é um dos muitos avanços de que vamos precisar para combater a covid-19", afirmou o diretor executivo do programa de emergências sanitárias da organização, Michael Ryan, em conferência de imprensa virtual a partir da sede da OMS, em Genebra.

Questionado se o medicamento poderá ser usado em testes mais alargados em doentes com casos graves da doença provocada pelo novo coronavírus, Ryan respondeu que "ainda não é altura de alterar as práticas clínicas", frisando que é preciso treinar o pessoal médico na utilização do medicamento, que revelou efeitos positivos em doentes que tiveram que ser colocados a oxigénio ou com ventilação pulmonar.

O epidemiologista irlandês notou que a dexametasona intervém nas manifestações pulmonares da covid-19, ajudando doentes com dificuldades extremas em respirar, e que não é um medicamento antiviral.

"Este é uma droga anti-inflamatória muito potente. Pode auxiliar doentes em estado muito grave, cujos pulmões e sistema cardiovascular estejam muito inflamados, possibilitando que o seu sangue seja oxigenado a partir dos pulmões num período crítico, reduzindo a inflamação", explicou.

No entanto, "não é um tratamento para o vírus propriamente dito e não é uma prevenção para o vírus", salientou.

Os esteroides como a dexametasona podem, aliás, "facilitar a divisão e replicação dos vírus no corpo humano", alertou.

Michael Ryan considerou que há razões para celebrar "uma intervenção que pode salvar vidas", mas ressalvou que ainda só existem "dados preliminares de apenas um estudo" e que é preciso ver "dados completos" publicados num boletim científico reconhecido, o que deverá acontecer dentro de alguns dias.

Para já, a dexametasona é um medicamento cujo uso deve ser reservado para "pessoas gravemente doentes, em estado crítico e "sob vigilância clínica estrita", destacou.

É preciso "compreender que doses devem ser usadas, como será feita a avaliação clínica dos pacientes, garantir que há medicamento suficiente e muitas outras coisas", acrescentou.

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla inglesa) vai começar a utilizar dexametasona para combater a doença provocada pelo SARS-CoV-2, depois de um "grande estudo" que foi feito para encontrar um medicamento eficaz no combate contra a pandemia.

O secretário de Estado da Saúde britânico, Matt Hancock, disse na terça-feira que o NHS está a trabalhar para incluir este medicamento no "tratamento padrão" da covid-19, através de uma publicação na rede social Twitter.

O governante acrescentou que o medicamento já está disponível e que o Reino Unido tem 200.000 tratamentos armazenados e prontos para ser utilizados desde março.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 443 mil mortos e infetou mais de 8,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.523 pessoas das 37.672 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)