Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Nova variante da Covid-19 detetada no Reino Unido "não é provável que afete eficácia da vacina", revela especialista

Autoridades britânicas alertaram OMS sobre a descoberta da nova variante, que se espalha com maior velocidade.
Lusa 19 de Dezembro de 2020 às 23:41
Coronavírus
Coronavírus FOTO: Getty Images
A nova variante do coronavírus responsável pela covid-19 detetada no sudeste do Reino Unido mesmo sendo mais facilmente transmissível não deverá diminuir a eficácia da vacina, disse este sábado à Lusa Constantino Sakellarides, especialista em saúde pública. 

"Pelo que se sabe, não é provável que afete a eficácia da vacina, desde que não interfira com o antigénio que está na coroa, o antigénio que estimula a reação imunitária", disse o antigo diretor da Direção-Geral da Saúde e atual membro do Conselho Nacional de Saúde Pública.

"Tudo isto é sob reserva, porque a informação que temos é escassa, mas desde que não haja interferência com esse antigénio, não há razão para pensar que a vacina não servirá na mesma para esta nova variante", disse Constantino Sakellarides. 

As autoridades britânicas já alertaram a Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a descoberta da nova variante, que se espalha com maior velocidade.

Para o especialista em saúde pública, este facto significa que esta variante do coronavírus está "mais bem adaptada à espécie humana" e, portanto, "exige mais cuidados no controlo da transmissão de pessoa para pessoa".

"Isso já se nota no Reino Unido, porque foram tomadas medidas para tentar o possível para limitar a sua expansão para o conjunto do Reino Unido. Há a preocupação clara de tomar medidas mais intensas, para impedir a sua transmissão", frisou.

O professor catedrático da Escola Nacional de Saúde Pública defende que "há que saber mais sobre como vai evoluir" esta variante.

"Estas são as primeiras observações que existem, mas temos de saber mais para poder estimar a extensão das implicações que vai ter no controlo da pandemia", afirmou.

Por enquanto, continua a ser necessário "defender-nos a todo o custo enquanto a vacina não atingir uma parte substancial da população".

"As medidas de defesa contra esta variante são do mesmo tipo das que foram adotadas até agora. Simplesmente, caso se verifique a expansão desta nova variante rapidamente, quando ela aparecer, uma vez que a transmissão é mais fácil, os cuidados têm de ser redobrados enquanto não se chega ao patamar da imunidade de grupo que a vacina vai proporcionar", conclui Constantino Sakellarides.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,6 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 6.063 em Portugal.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários