Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

O estranho caso da cidade italiana onde não há infetados com coronavírus

Habitantes de Ferrera Erbognone estão a ser examinados para perceber como nenhum foi infetado por covid-19.
Diogo Barreto / SÁBADO 30 de Março de 2020 às 09:17
Coronavírus
Teste coronavírus
Teste coronavírus
Coronavírus
Teste coronavírus
Teste coronavírus
Coronavírus
Teste coronavírus
Teste coronavírus

Ferrera Erbognone é uma pequena cidade da Lombardia, no norte de Itália com 1.000 habitantes. A média de idades é superior a 60 anos e, até ao momento, não houve um único habitante infetado pelo coronavírus, apesar de fazer parte da região mais afetada em Itália. 

Alguns cientistas avançam mesmo a hipótese de os habitantes terem uma imunidade ao vírus e irão fazer análises de sangue aos mesmos. Na Lombardia já morreram quase seis mil pessoas devido ao Covid-19. 

O Instituto Neurológico Mondino de Pavía já começou a testar o sangue dos habitantes para tentar perceber o porquê de não haver um único caso de contágio. Para serem testados, os cidadãos podem deslocar-se até um laboratório local e fazer os exames. Cientistas esperam encontrar anti-corpos no organismo dos habitantes que possam explicar esta imunidade e até ajudar no combate ao coronavírus. 

Os habitantes de Ferrera Erbognone têm uma explicação simples para o facto de ainda não terem adoecio: afinal "não estão sempre fechados em casa". Mesmo assim, continuam a cumprir as regras de reclusão e isolamento social como forma de se protegerem, explicou o autarca e médico Giovanni Fassina ao Corriere della Sera.

O número de mortes em Itália devido ao novo coronavírus chegou este domingo aos 10.779, um aumento de 756 óbitos nas últimas 24 horas e 5.217 novos infetados, informou a Proteção Civil italiana.

O número total de pessoas que se encontram infetadas é de 73.880, uma vez que já recuperaram da doença 13.030.

O número total de contagiados desde 20 de fevereiro (dia em que se detetou o primeiro caso) é de 97.689.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 363 mil infetados e mais de 22 mil mortos, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 10.779 mortos em 92.689 casos registados até hoje.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 6.528, entre 78.797 casos de infeção confirmados até hoje, enquanto os Estados Unidos são o que tem maior número de infetados (mais de 124 mil).

A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, conta com 81.439 casos (mais de 75 mil recuperados) e regista 3.300 mortes. A China anunciou hoje 45 novos casos, dos quais 44 oriundos do exterior, e mais cinco mortes, numa altura em que o país suspendeu temporariamente a entrada no país de cidadãos estrangeiros, incluindo residentes.

Os países mais afetados a seguir a Itália, Espanha e China são o Irão, com 2.640 mortes reportadas (38.309 casos), a França, com 2.314 mortes (37.575 casos) e os Estados Unidos com 2.191 mortes. Na Alemanha existem mais de 50 mil pessoas infetadas e registaram-se 389 vítimas mortais.

O número de mortes causadas pela covid-19 em África subiu para 134 com os casos acumulados a aproximarem-se dos 4.300 casos em 46 países, segundo a mais recente atualização das estatísticas sobre a pandemia.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)