Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

OMS considera cada vez mais improvável segunda grande vaga do coronavírus

"Os números da imunidade são muito baixos. É precisa vigilância na reabertura", reiterou a diretora do departamento de Saúde Pública da Organização.
Lusa 25 de Maio de 2020 às 12:13
Coronavírus xx
Coronavírus xx FOTO: Reuters
A diretora do departamento de Saúde Pública da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou hoje que é "cada vez mais" improvável uma segunda grande vaga do novo coronavírus, mas aconselhou muita prudência.

Em entrevista à rádio catalã RAC-1, Maria Neira indicou que os modelos de previsão com que a OMS trabalha "avançam muitas possibilidades, desde novos surtos pontuais a uma nova vaga importante, mas esta última possibilidade é cada vez mais de descartar".

"Estamos muito mais bem preparados em todos os sentidos", afirmou a médica espanhola, que recomendou "muita prudência e bom senso" numa fase "muito crítica" da pandemia da covid-19 e pediu que a população não "entre em paranoia nem se relaxe demasiado" e que "aprenda a conviver com doenças infecciosas".

Maria Neira considerou que se "baixou tanto a taxa de transmissão que o vírus terá dificuldade em sobreviver".

"Devemos ter muita prudência em afirmar se este é o fim da vaga, mas, pelo menos, os dados mostram que se evitou a transmissão e explosão das primeiras semanas", declarou.

No entanto, destacou que "vale a pena não fazer muitas previsões porque as próximas semanas serão uma fase muito crítica".

"Com a abertura [do confinamento das populações] é preciso ver como se comporta o vírus, mas será uma batalha diária. Dentro de duas ou três semanas veremos o que aconteceu e se é preciso fazer alguma correção cirúrgica", referiu sobre a abertura registada em Espanha.

Maria Neira reconheceu que a OMS ainda tem "algumas dúvidas sobre a relação do vírus com o clima", mas que regista que este está a "fazer o percurso geográfico que se espera de um vírus que quer sobreviver".

"Os números da imunidade são muito baixos. É precisa vigilância na reabertura", reiterou.

 A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 343 mil mortos e infetou mais de 5,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de dois milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.316 pessoas das 30.623 confirmadas como infetadas, e há 17.549 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou a ser o que tem mais casos confirmados (mais de 2,4 milhões, contra dois milhões no continente europeu), embora com menos mortes (mais de 143 mil, contra quase 174 mil).

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num "grande confinamento" que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.

Mais informação sobre coronavírus AQUI.

MAPA da situação em Portugal e no Mundo.

SAIBA como colocar e retirar máscara e luvas.

APRENDA a fazer a sua máscara em casa.

CUIDADOS a ter quando recebe uma encomenda em casa.

DÚVIDAS sobre coronavírus respondidas por um médico

Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)