Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

Estudo norte-americano sugere que o vírus projetado pela tosse atinja seis metros e pelos espirros oito.
Lusa 2 de Abril de 2020 às 16:06
Máscaras
Máscaras FOTO: Getty Images

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse hoje o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o assunto.

Citado pela BBC, David Heymann, que vai presidir a um grupo de especialistas que irá reavaliar quem deve usar máscaras, disse que a equipa vai analisar novos dados que estimam que o vírus possa ser projetado mais longe do que se pensava.

Um estudo norte-americano sugere que o vírus projetado pela tosse atinja seis metros e pelos espirros oito.

Atualmente, a OMS considera que as máscaras só devem ser usadas pelas pessoas que já estão infetadas com covid-19 ou que cuidam dos doentes.

Também os Estados Unidos estão a ponderar mudar a sua posição, tornando obrigatório o uso de máscaras para conter a disseminação da covid-19, seguindo o exemplo de países asiáticos e europeus, admitiu o diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças.

"Está provado que um grande número de pessoas infetadas permanece assintomática", explicou Robert Redfield à rádio NPR, reconhecendo que "se usassem uma máscara, poderiam reduzir mecanicamente as transmissões até 25%".

Também o diretor do Instituto de Doenças Infecciosas, Anthony Fauci, que se tornou o principal conselheiro do executivo dos EUA sobre o coronavírus, admitiu que o grupo de trabalho da Casa Branca tem tido "debates muito ativos" sobre o assunto.

Fauci reconheceu que a hesitação inicial em recomendar o uso generalizado não se baseou em nenhum argumento científico, mas na escassez de máscaras: os Estados Unidos, como a França e outros países, não tinham e ainda não têm máscaras suficientes para as necessidades do pessoal médico e de toda uma população.

"Mas uma vez que tenhamos máscaras suficientes, será seriamente considerada a recomendação de uso de máscaras por todos", garantiu.

De acordo com o Washington Post, as autoridades poderão optar por recomendar máscaras artesanais à população em geral, reservando as de qualidade médica para os cuidadores de infetados.

Na China, Japão, Hong Kong, Taiwan ou Singapura, ninguém sai à rua sem máscara, hábito que começa agora a notar-se também em algumas partes da Europa.

Na República Checa, as máscaras passaram a ser obrigatórias e o Governo deu o seu aval a um vídeo que defende que o país conseguiu diminuir os contágios da covid-19 graças a esse hábito.

O primeiro-ministro checo enviou mesmo uma mensagem ao Presidente dos Estados Unidos, recomendando seguir o exemplo daquele país da Europa de leste.

"Senhor Presidente @realDonaldTrump, tente atacar o vírus à maneira checa", escreveu Andrej Babis na rede social Twitter.

A experiência da República Checa já foi seguida pela Eslováquia, pela Eslovénia e pela Áustria, tornando obrigatório o uso de máscara.

No entanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS) continua a defender que as máscaras só devem ser usadas pelas pessoas infetadas ou que cuidam dos doentes.

"As máscaras podem, na verdade, aumentar o risco de coronavírus se usadas incorretamente", alertou o diretor executivo do programa de emergências em saúde da OMS, Mike Ryan, numa conferência de imprensa realizada na segunda-feira em Genebra.

Segundo este responsável da OMS, "não existem provas específicas que sugiram que o uso de máscaras pela população em massa tenha algum benefício potencial".

Portugal segue -- através da Direção-Geral de Saúde - a posição da OMS, mas também está a rever a possibilidade de mudar as orientações.

Segundo noticiou o Diário de Notícias na quarta-feira, um grupo de especialistas que integra o Programa português de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistência Antimicrobianas está a rever a orientação e admite alargar o uso da máscara a mais segmentos da população e de atividades profissionais.

Ainda assim, refere a mesma fonte, "de modo nenhum será aceite o uso generalizado de máscara. Não faz sentido, pelo menos por agora".

A recomendação ou imposição à população em geral de usar máscara conta com argumentos a favor e contra de muitas instituições reconhecidas.

É o caso da Universidade norte-americana Johns Hopkins, que divulgou um gráfico no qual sugere que, nos países onde a máscara foi tornada obrigatória, o número de infetados começou a estabilizar cerca de um mês depois do surto (no caso, depois da contabilização de 100 casos), enquanto países como Reino Unido, França, Alemanha, Espanha e, sobretudo, Itália e Estados Unidos, continuam a ver os contágios aumentarem exponencialmente.

Argumento seguido também em Portugal pelo Conselho das Escolas Médicas.

"A experiência de países como China, Macau, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul é muito consistente", defendeu o conselho num comunicado divulgado na semana passada, sublinhando que o uso generalizado de máscara é recomendado por várias entidades internacionais.

Para o Conselho das Escolas Médicas, "o uso de máscaras pela comunidade" pode "reduzir o risco de contaminação", sendo que "quatro em cada cinco indivíduos contaminadores desconheciam que estavam infetados no momento em que infetaram terceiros".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)