Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Oposição brasileira consegue assinaturas para investigar atuação de Sérgio Moro na Lava Jato

Operação condenou mais de 100 arguidos, entre eles o ex-presidente Lula da Silva.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 14 de Setembro de 2019 às 14:21
Sérgio Moro
Sérgio Moro
Sérgio Moro
Sérgio Moro
Sérgio Moro
Sérgio Moro
Sérgio Moro
Sérgio Moro
Sérgio Moro

Deputados de diversos partidos de oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro conseguiram reunir o número mínimo de assinaturas para criar uma CPI, Comissão Parlamentar de Inquérito, que apure as supostas irregularidades do ex-juiz e, hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro na condução da operação anti-corrupção Lava Jato.

Esta operação condenou mais de 100 arguidos, entre eles o ex-presidente Lula da Silva. O número mínimo de assinaturas de parlamentares exigido pelas normas internas do parlamento para a instauração de uma CPI, 171, foi alcançado na passada quinta-feira.

O pedido baseia-se, entre outros aspetos, nos vazamentos feitos nas últimas semanas pelo portal online de investigação The Intercept Brasil de mensagens privadas trocadas entre Moro e o chefe do Ministério Público na Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol, que parecem mostrar que ambos combinavam ações e versões, às vezes alegadamente à margem da lei, para conseguirem condenar arguidos.

Pela lei brasileira um juíz só julga e, por isso, tem de manter total isenção entre os defensores e os acusadores dos arguidos, não podendo favorecer nem agir em conjunto com alguma das partes.

Assinam o pedido desta investigação deputados do Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Democrático Trabalhista (PDT), Partido Comunista do Brasil (PC do B) e Partido Socialista Brasileiro (PSB), entre outros.

O documento foi entregue esta sexta-feira ao setor de protocolo da Câmara dos Deputados, que vai agora verificar cada assinatura e confirmar se os parlamentares mantém o apoio ao pedido ou querem retirá-lo. Depois, se não houver nenhuma desistência, o pedido será encaminhado ao presidente da casa, Rodrigo Maia, que o acatará ou não.
Ver comentários