Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Organizações ambientalistas consideram projetos de resolução da COP25 uma "traição" às pessoas

Organismos apelam aos países para continuarem a negociar, considerando que não há hipótese de se chegar a "um resultado decente" assim.
Lusa 14 de Dezembro de 2019 às 19:36
Organizações ambientalistas consideram projetos de resolução da COP25 uma 'traição' às pessoas
Organizações ambientalistas consideram projetos de resolução da COP25 uma 'traição' às pessoas FOTO: Nacho Doce/Reuters
Organizações não governamentais ambientalistas consideraram este sábado que os projetos de resolução que a cimeira do clima da ONU tem para aprovar são "uma traição" do Acordo de Paris e dos milhões de pessoas que sofrem com as alterações climáticas.

Em conferência de imprensa à margem da 25.ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, em Madrid, a diretora executiva da Greenpeace, Jennifer Morgan, afirmou que os textos propostos a discussão, tal como estão seriam "uma traição de pessoas em todo o mundo que sofrem com os impactos e pedem ação".

"A presidência chilena [da COP25] tinha uma única tarefa: proteger a integridade do Acordo de Paris e não deixar que fosse destruído pelo cinismo e pela ganância. Neste momento, falhou, ouviu os poluidores em vez de ouvir as pessoas", considerou.

Jennifer Morgan acusou Brasil, Estados Unidos e Arábia Saudita de "cozinharem um acordo para traficarem [licenças de emissões de] carbono", permitindo-se que os créditos anteriores sejam mantidos num novo sistema de regulação que venha a surgir.

O dirigente da organização científica Union of Concerned Scientists, Alden Meyer, disse aos jornalistas que seria "injusto e imoral" aprovar as resoluções tal como estão, apontando que "não há qualquer apelo aos países para aumentarem a ambição dos seus compromissos".

"Nunca vi tanto desligamento entre o que a ciência pede e as pessoas do mundo exigem e o que os negociadores estão aqui a propor", disse Alden Meyer, considerando que "falhar é inaceitável".

Falando pela organização ambiental africana Power Shift Africa, Mohammed Adu chamou "desastroso" ao que se prepara para ser discutido em Madrid, afirmando que é "extremamente desapontante, o pior que se viu neste processo nos últimos dez anos".

O ativista Hajeet Singh, da organização Action Aid, afirmou que faltam referências ao suporte financeiro nos textos a discussão, considerando que se continua a "apelar a mais ambição dos países em desenvolvimento sem pôr dinheiro na mesa".

As organizações apelam aos países para rejeitarem os textos e continuarem a negociar, considerando que não há hipótese de se chegar a "um resultado decente" assim.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)