Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Papa Francisco emocionado nas ruínas de Mosul no último dia de visita ao Iraque

Pontífice confortou cristãos e garantiu que o terrorismo nunca terá a última palavra.
Ricardo Ramos 8 de Março de 2021 às 01:30
Papa disse em Mosul que a esperança nunca pode ser silenciada pelos que derramam sangue em nome de Deus
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco reza pelas vítimas da guerra jihadista em Mossul, no Iraque
Papa disse em Mosul que a esperança nunca pode ser silenciada pelos que derramam sangue em nome de Deus
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco reza pelas vítimas da guerra jihadista em Mossul, no Iraque
Papa disse em Mosul que a esperança nunca pode ser silenciada pelos que derramam sangue em nome de Deus
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco celebra missa no Estádio Franso Hariri em Erbil, Iraque
Papa Francisco reza pelas vítimas da guerra jihadista em Mossul, no Iraque
Rodeado pelas ruínas de quatro igrejas destruídas, o Papa Francisco defendeu este sábado em Mosul que a esperança “nunca pode ser silenciada pelo sangue derramado por aqueles que pervertem o nome de Deus”.

Foi um Sumo Pontífice emocionado como ainda não se tinha visto nesta viagem que se dirigiu aos poucos cristãos que restam na cidade devastada pela barbárie do Daesh, confortando-os e reafirmando a convicção de que “a fraternidade é mais duradoura que o fratricídio, a esperança é mais poderosa que o ódio e a paz é mais poderosa que a guerra”.

O terceiro dia da visita do Papa ao Iraque foi passado no Norte do país, nas zonas até há pouco mais de três anos controladas pelos jihadistas do Daesh, que perseguiram e executaram cristãos e outras minorias e cuja sede de destruição está patente em cada edifício.

“Quão cruel é que este país, o berço da civilização, tenha sido afligido por um golpe tão bárbaro, com os seus antigos locais de oração destruídos e muitos milhares de pessoas - muçulmanos, cristãos, yazidis e outros – deslocados à força ou mortos”, lamentou o Papa, que mais tarde foi recebido de forma efusiva na antiga cidade de Qaraqosh, onde muitas famílias cristãs tentam reconstruir a vida numa prova de que o terrorismo “nunca tem a última palavra”.

"O Iraque ficará sempre comigo"
Depois da calorosa receção em Qaraqosh, o Papa despediu-se do Iraque com um banho de multidão em Erbil, capital do Curdistão iraquiano, onde celebrou missa para milhares de pessoas num estádio e onde pela primeira vez na viagem se deslocou no papamóvel para saudar os fiéis.

"O Iraque ficará sempre comigo no meu coração", disse o Pontífice, recuperando mais uma vez a mensagem de paz e tolerância que tem marcado a visita, apelando aos cristão iraquianos que evitem "a tentação da vingança" apesar de tudo aquilo que sofreram às mãos do Daesh. "Nestes dias vividos juntos de vós, escutei vozes de dor e angústia, mas também vozes de esperança e consolo", disse o Papa.

"Peço a todos vós, queridos irmãos e irmãs, que trabalhem juntos em unidade por um futuro de paz e prosperidade que não discrimine nem deixe ninguém para trás", concluiu Francisco, que esta segunda-feira de manhã regressa a Roma.

Francisco Mosul Papa Daesh Iraque Deus religião questões sociais política
Ver comentários