Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Plasma de doentes que venceram o coronavírus mostra-se eficaz em infetados em estado grave

Terapia ainda não foi comprovada dada a reduzida amostra, no entanto, dá sinais positivos de eficácia.
Correio da Manhã 7 de Abril de 2020 às 17:48
Plasma
Coronavírus
Estados Unidos registam recorde mundial diário de mortes por coronavírus
Coronavírus
Plasma
Coronavírus
Estados Unidos registam recorde mundial diário de mortes por coronavírus
Coronavírus
Plasma
Coronavírus
Estados Unidos registam recorde mundial diário de mortes por coronavírus
Coronavírus
Várias têm sido as notícias nos últimos dias de que há países a testar o plasma de doentes de coronavírus recuperados em doentes infetados. 

O jornal britânico The Guardian dá esta terça-feira conta de que há cada vez mais doentes tratados com plasma sanguíneo que estão a beneficiar deste método. 

Duas equipas de médicos em dois hospitais a China descobriram que o plasma consegue reverter o estado clínico de doentes infetados com coronavírus que se encontrem em estado grave. Administraram plasma sanguíneo - rico em anticorpos - em 15 pacientes em estado grave e muitos deles registaram melhorias signitificativas.

Em Wuhan, foi realizado um outro estudo em 10 pacientes. Após terem recebido o plasma de doentes recuperados, os efeitos do vírus tornaram-se menos graves. 

Em três dias, os médicos observaram melhorias nos sintomas dos pacientes, variando de falta de ar e dores no peito a febre e tosse.

Xiaoming Yang, do Centro Nacional de Pesquisa para Vacinas Combinadas de Wuhan, descreveu o tratamento como uma "opção de resgate promissora" em pacientes graves. A investigadora afirma ainda que é necessário um estudo mais profundo para confirmar estas descobertas.

Outra equipa de médicos liderada por Lei Liu, do hospital de Shenzhen Third People, China, deu plasma a cinco pacientes gravemente doentes. Todos apresentaram melhorias nos sintomas após o tratamento e, em 10 dias, três pacientes deixaram de depender de ventiladores que os mantinham vivos.

Para já a eficácia deste método ainda não é comprovada dado a reduzida amostra de casos e estes testes não terem sido feitos de forma formal. Este tipo de terapia foi usada em 1918, durante o combate à pandemia de gripe espanhola.
China saúde medicina coronavírus
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)