Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Prostituta volta ao trabalho meia hora depois de dar à luz

Polícia revela histórias de mulheres que ajudou nas ruas.
3 de Janeiro de 2018 às 19:23
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição

Uma agente da polícia inglesa, da Unidade de Apoio à Comunidade, resolveu divulgar as histórias de algumas prostitutas que tem ajudado ao longo de mais de 10 anos de serviço em Hull, no Reino Unido. Jacqui Fairbanks, que conhece as 40 prostitutas que trabalham naquela zona como se fossem família, recorda um caso em particular.

"Uma mulher que ajudo teve um bebé e ao fim de meia hora já estava de volta às ruas. Deu à luz e 30 minutos depois já estava a prostituir-se. Parece surreal mas é verdade. Muitas destas mulheres estão desesperadas a este ponto", recorda a polícia.

Jacqui realça que muitas das mulheres que entram no mundo da prostituição fazem-no devido a passados ligado ao abuso sexual, violência. Muitas são sem-abrigo e vivem nas ruas, algumas com problemas de saúde e mentais. Há ainda aquelas que são ‘vendidas’ pelos parceiros.

"Isto não é como o filme ‘Uma Mulher de Sonho’. Não vai aparecer um milionário que as vai levar para uma vida melhor, onde serão felizes para sempre. O problema é que estas mulheres não procuram a nossa ajuda. Têm a autoestima muito em baixo e achem que só merecem um tipo de atenção. Muitas passam a vida inteira assim. Ajudamos mulheres que têm entra 60 e 80 anos", revela Jacqui.

A agente lamenta ainda a marginalização das profissionais do sexo. "Há a perceção de que vivem de apoios sociais e não é bem assim. Para a maioria, a prostituição é a única forma de rendimento. E ao fim do dia convém lembrar que estas mulheres são as filhas de alguém", conclui Jacqui.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)