Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Rainha nomeia deputado inglês que tentou salvar polícia para o Conselho Privado

Tobias Ellwood aplicou técnicas de reanimação ao agente e ajudou os paramédicos.
25 de Março de 2017 às 00:38
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
Ministro britânico tentou salvar polícia esfaqueado
A rainha Isabel II aprovou hoje a nomeação do deputado conservador Tobias Ellwood como membro do seu Conselho Privado, pelo seu papel no atentado de quarta-feira, quando o político tentou reanimar sem êxito uma das vítimas mortais.

Downing Street, residência oficial da primeira-ministra britânica, a conservadora Theresa May, comunicou a inclusão de Ellwood, de 50 anos, neste grupo seletivo, formado por cerca de 600 pessoas, na sua maioria políticos em posições relevantes e antigos altos cargos.

O rosto ensanguentado de Ellwood no atentado de quarta-feira em Londres, em que morreram quatro pessoas, além do atacante, e outras 50 ficaram feridas, entre as quais um português, foi uma das imagens mais divulgadas pelos meios de comunicação social britânicos.

O deputado, que foi militar, tentou reanimar o polícia Keith Palmer, de 48 anos, que foi apunhalado pelo britânico de 52 anos Adrian Russel, que posteriormente mudou o nome para Khalid Masood.

Na quinta-feira, a primeira-ministra classificou de "extraordinária" a ação do seu companheiro de partido numa intervenção na Câmara dos Comuns.

Ellwood, cujo irmão Jonathan morreu no ataque terrorista de 2002 em Bali, Indonésia, assistiu a essa sessão parlamentar, visivelmente emocionado, mas não tomou a palavra na câmara.

Também o secretário de Estado da Segurança, Ben Wallace, que coordenou a resposta do governo perante o atentado, irá integrar o Conselho Privado da rainha.
Ver comentários