Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Regina Duarte deixa governo de Bolsonaro

Atriz estava no cargo de secretária da Cultura há pouco mais de dois meses e não apresentou qualquer medida.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 21 de Maio de 2020 às 09:18
Regina Duarte e Jair Bolsonaro
Regina Duarte e Jair Bolsonaro FOTO: Direitos Reservados
A atriz Regina Duarte deixou esta quarta-feira de ser secretária Especial de Cultura do governo de Jair Bolsonaro, pouco mais de dois meses após ter sido nomeada para o cargo. O anúncio foi feito pelo próprio presidente numa rede social, informando também, numa espécie de saída honrosa, que a atriz vai dirigir a Cinemateca Brasileira, que fica em São Paulo, onde reside.

Nomeada a 5 de março após semanas de hesitação que ela e Bolsonaro chamaram de "noivado", Regina deixa a pasta sem ter apresentado qualquer projeto e depois de ter sido desautorizada inúmeras vezes pelo governo com nomeações de pessoas que não queria na pasta e demissões de outras que tinha nomeado. Antes chamada de ‘Namoradinha do Brasil’ e respeitada no meio artístico, a atriz deixa o governo sob críticas generalizadas pela falta de ações concretas e por ter tentado manter-se no cargo radicalizando o discurso pró-Bolsonaro.

No passado dia 7, numa entrevista bizarra à CNN Brasil, Regina chegou a defender a ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, cantou antigos hinos do regime e minimizou as torturas e mortes praticadas nessa época. Logo no início do mandato, já tinha desagradado ao dizer que o dinheiro público da sua pasta "não seria gasto com minorias", endossando a política de Bolsonaro de excluir dos financiamentos governamentais produções com temáticas LGBT ou sobre minorias étnicas.
Ver comentários