Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Rio de Janeiro suspende transportes para tentar reduzir ajuntamentos no réveillon

Tradicional fogo de artifício em Copacabana também foi suspenso.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 31 de Dezembro de 2021 às 17:17
Rio de Janeiro
Rio de Janeiro FOTO: Getty Images

Numa tentativa de reduzir ao mínimo possível os tradicionais ajuntamentos de Reveillon na sua orla devido ao aumento de casos de Covid-19 e a um inesperado surto de gripe influenza, a cidade do Rio de Janeiro suspendeu ou alterou vários modais de transporte esta sexta-feira, último dia do ano. Com o mesmo objectivo, a tradicional queima de fogos de artifício também foi dividida por vários bairros, tentanto evitar que os moradores dessas regiões se desloquem para Copacabana, onde a cada ano, em tempos normais, costumavam concentrar-se mais de dois milhões de pessoas, brasileiros e turistas do mundo inteiro.

Bloqueios ao tráfego começaram a ser feitos ainda esta quinta-feira em toda a orla sul do Rio de Janeiro, onde ficam os bairros mais nobres, as praias mais famosas e os hotéis mais conceituados. A partir das 20 horas locais desta sexta, 23 horas em Lisboa, as composições do Metropolitano deixarão de parar nas estações que servem o bairro e a praia de Copacabana, dificultando o acesso de quem vem de outros bairros.

Os autocarros de passageiros que têm a paragem final em Copacabana ou passam por este bairro tiveram os seus percursos alterados, para não passarem nem perto. Nas estradas que dão acesso à cidade, desde cedo bloqueios impedem a entrada no Rio de Janeiro de autocarros de turismo provenientes de outras cidades e de outros estados.

Também não haverá palcos com shows ao vivo nas areias de Copacabana, que atraem grandes multidões, mas quem, mesmo com todos os alertas e os riscos devido aos vírus que circulam na cidade insistir em ir até à famosa praia, não vai ficar sem diversão. Foram instaladas 25 grandes torres de som, que tocarão músicas diversas das 20 horas de hoje à 1 da manhã de amanhã, primeiro dia de 2022, sob curadoria do DJ MAM.

O Prefeito (autarca) do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, tinha anunciado a suspensão total dos eventos devido ao aumento da circulação da nova variante do Coronavírus, a Ómicron, mas voltou atrás e permitiu o Reveillon, mas com restrições. A avaliação de conselheiros técnicos da municipalidade é que não haveria como evitar que as pessoas se concentrassem para passar a meia-noite em festa, então o melhor era criar um mínimo de estructura e dividir os pontos de concentração para reduzir quanto possível os riscos, que não foram considerados muito elevados por os festejos ocorrerem ao ar livre.

Rio de Janeiros passagem de ano transportes Brasil
Ver comentários