Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Ronaldinho sai em liberdade depois de seis meses detido no Paraguai

Antigo futebolista sai finalmente da prisão em que se encontrava, pagando uma soma de 90 mil dólares.
Lusa 25 de Agosto de 2020 às 00:28
Ronaldinho Gaúcho em prisão preventiva no Paraguai
Ronaldinho agradece 'carinho e orações' aos adeptos e instala-se em luxuosa 'prisão' domiciliária
Ronaldinho Gaúcho em prisão preventiva no Paraguai
Ronaldinho agradece 'carinho e orações' aos adeptos e instala-se em luxuosa 'prisão' domiciliária
Ronaldinho Gaúcho em prisão preventiva no Paraguai
Ronaldinho agradece 'carinho e orações' aos adeptos e instala-se em luxuosa 'prisão' domiciliária
O antigo futebolista internacional brasileiro Ronaldinho foi hoje posto em liberdade, depois de seis meses detido no Paraguai, após o juiz aceitar a suspensão condicional do processo envolvendo uso de passaporte falso.

No início de março, Ronaldinho e o seu irmão e representante Roberto Assis (ex-jogador do Sporting) foram detidos e posteriormente presos em Assunção, onde tinham alguns eventos de publicidade e caridade agendados, por terem ambos entrado no país com um passaporte falso.

Agora, o antigo futebolista de FC Barcelona, AC Milan ou Paris Saint-Germain sai finalmente da prisão em que se encontrava, pagando uma soma de 90 mil dólares (mais de 76 mil euros) a uma instituição de caridade, enquanto Assis pagará 110 mil dólares e terá de comparecer, de quatro em quatro meses e durante dois anos, junto das autoridades judiciais do Brasil.

Os dois encontravam-se em prisão domiciliária num hotel de Assunção desde 07 de abril, quando abandonaram a cadeia onde estavam.

Ronaldinho esteve um mês preso num dos edifícios da Polícia Nacional paraguaia, inicialmente sem direito a fiança, mas depois acabou por pagar um total de 1,6 milhões de dólares (cerca de 1,4 milhões de euros) para mudar para o regime domiciliário.

Dália Lopez, que é procurada pela polícia e que tem um mandado de captura da Interpol, é presidente da Fundação Fraternidade Angelical, pela qual convidou e financiou a viagem de Ronaldinho ao Paraguai para um programa de assistência social infantil na instituição, e é apontada como a chefe de uma suposta quadrilha que falsificou o passaporte do brasileiro e do seu irmão.

Ronaldinho Roberto Assis Paraguai desporto futebol crime lei e justiça questões sociais justiça e direitos
Ver comentários