Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Ryanair suspende todos os voos de e para Itália até 8 de abril

Passageiros afetados pelos cancelamentos podem optar por um reembolso total dos bilhetes ou um crédito de viagem.
Lusa 10 de Março de 2020 às 13:27
Avião da Ryanair
Avião da Ryanair
A companhia aérea Ryanair anunciou esta terça-feira a suspensão de todos os voos de e para Itália, bem como voos domésticos naquele território, até 08 de abril, depois das restrições impostas pelo Governo italiano para conter a propagação do coronavírus.

Segundo o comunicado divulgado esta terça-feira, a partir de quinta-feira a companhia irlandesa deixa de realizar voos domésticos dentro do território italiano e, a partir de sábado, cancela todos os voos internacionais de/para Itália.

"Desde as 00h00 de 11 março até às 00h00 de 08 abril, todos os voos domésticos da Ryanair dentro do território italiano serão cancelados e a partir das 00h00 de 13 março até às 00h00 de 8 de abril, todos os voos internacionais de/para Itália serão cancelados", lê-se num comunicado enviado pela companhia aérea 'low-cost'.

De acordo com a informação divulgada, "todos os passageiros afetados pelos cancelamentos de voos foram notificados por e-mail" e aqueles que necessitarem de regressar aos seus países podem pedir uma alteração, sem custos, para um dos voos da Ryanair programados até às 00h00 do dia 13 de março.

Os passageiros afetados pelos cancelamentos, podem optar por um reembolso total do valor dos bilhetes ou um crédito de viagem, para usar nos 12 meses seguintes, em voos da Ryanair.

"A Ryanair lamenta as interrupções na sua programação, provocadas por restrições governamentais e pela decisão do Governo italiano de restringir as viagens em todo o país para conter a propagação do Covid-19", refere a transportadora, sublinhando estar também a cumprir as indicações governamentais e da Organização Mundial de Saúde.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.000 mortos.

Cerca de 114 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, e mais de 63 mil recuperaram.

Nos últimos dias, a Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China, com 463 mortos e mais de 9.100 contaminados pelo novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia.

A quarentena imposta pelo governo italiano ao Norte do País foi alargada esta segunda-feira a toda a Itália.

O Governo português decidiu suspender todos os voos com destino ou origem nas zonas mais afetadas em Itália, recomendando também a suspensão de eventos em espaços abertos com mais de 5.000 pessoas.

A China registou segunda-feira mais uma queda no número de novos casos de infeção, 19, face a 40 no dia anterior, somando agora um total de 80.754 infetados e 3.136 mortos, na China Continental.

Portugal regista 39 casos confirmados de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Ver comentários