Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Sobreviveu a três campos de concentração e agora, aos 98 anos, venceu a Covid-19

Mulher que sobreviveu aos horrores do Holocausto é uma das doentes recuperadas mais velhas do mundo.
Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 13 de Agosto de 2020 às 14:30
Marianne tem 98 anos
Marianne tem 98 anos FOTO: DR

Marianne Schwartz deveria ser um sinónimo da palavra "sobrevivente". A austríaca, judia e residente na Austrália, sobreviveu ao Holocausto e passou por três campos de concentração, incluindo Auschwitz. Ultrapassou o horror da II Guerra Mundial e agora, aos 98 anos, venceu o novo coronavírus.

A austríaca, que nasceu em Viena, é uma das doentes mais velhas do mundo recuperadas da Covid-19 e é a sobrevivente do novo coronavírus mais velha de Victoria, na Austrália. Em entrevista ao Sunrise, admite que está habituada a desafiar as suas hipóteses de sobrevivência: "Sou muito, mesmo muito determinada. Sou uma sobrevivente, em muitos sentidos", afirma bem humorada Marianne.

A mulher foi diagnosticada com Covid-19 no início de julho e teve alta hospitalar esta terça-feira, depois de um mês de internamento. Apesar de se revelar cheia de força e muito positiva, os familiares de Marianne contam que a luta contra a doença foi dura e difícil.

"Ela esteve com ventilação e a receber oxigénio várias vezes, começou a melhorar antes de se sentir pior outra vez, foi quando descobriram que tinha também uma pneumonia bacteriana", conta a sobrinha de Marianne, Karin Zafir, revelando que a idosa esteve às portas da morte.

Sempre bem disposta, Marianne desvaloriza o feito: "Certamente que não foi o maior desafio da minha vida, mas foi um grande desafio, sim". Antes de voltar a casa, Marianne teve direito a uma festa de aniversário atrasada, pelo seus 98 anos, uma vez que os celebrou quando estava internada.

Na festa, a idosa deixou uma promessa: passar mais tempo com quem gosta. Marianne foi para a Austrália em 1952, depois de ter casado com o marido, Joschy Schwartz em Viena, no final da II Guerra Mundial.

Há dois anos, em entrevista, recordou o horror que viveu nos campos de concentração e como a experiência transformou a sua visão do mundo e da vida para sempre.

"A minha experiência nos campos de concentração ensinou-me muita coisa: resiliência, aceitar as pessoas como elas são, e a minha atitude para com a vida e com a morte mudaram completamente. No meu âmago, senti que os nazis não me conseguiram tirar a minha identidade. Eu mantive-me a mesma pessoa. Aprendi a viver com o que me aconteceu. Às vezes ainda sonho com o que vivi nos campos de concentração, mas nos meus sonhos ninguém morre", conta a Sobrevivente, com ‘S’ grande.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários