Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Trump considera ataque à Síria "missão cumprida"

EUA, França e Reino Unido lançaram 105 mísseis contra três alvos.
Ricardo Ramos 15 de Abril de 2018 às 01:30
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Ataque na Síria
Aviões e navios de guerra norte-americanos, britânicos e franceses lançaram este sábado de madrugada mais de uma centena de mísseis contra instalações de produção e armazenamento de armas químicas na Síria, na prometida e amplamente anunciada retaliação pelo ataque tóxico da semana passada contra Douma.

Tratou-se de um ataque cirúrgico e limitado, sem baixas civis a lamentar e que evitou dar razões à Rússia para uma escalada militar de consequências imprevisíveis. Trump saudou no Twitter um ataque "perfeitamente executado" e que "não podia ter corrido melhor". "Missão cumprida", escreveu o presidente dos EUA, dando a entender que a resposta ficará por aqui se Damasco não cair na tentação de voltar a usar armas químicas contra civis. A Rússia protestou contra um "ataque ilegal" mas não cumpriu a promessa de abater os mísseis aliados.

Os ataques da madrugada de ontem visaram "o coração do programa de armas químicas" do regime sírio e tiveram como objetivo "debilitar significativamente" a capacidade de Assad para lançar novos ataques com armas proibidas contra o seu povo.

De acordo com o Pentágono, foram lançados um total de 105 mísseis de cruzeiro contra três alvos nos arredores de Damasco e de Homs, incluindo o principal centro de pesquisa e desenvolvimento de armas químicas do regime, bunkers e armazéns de armas químicas e centros de comando.

Na operação participaram aviões Tornado britânicos estacionados na base de Akrotiri, em Chipre, caças Rafale e Mirage franceses vindos de bases no Sul de França, fragatas francesas e navios norte-americanos estacionados no Mediterrâneo Oriental e bombardeiros supersónicos B-1 provenientes de bases dos EUA no Qatar.

Segundo o general Kenneth McKenzie, porta-voz do Pentágono, as primeiras indicações são de que "todos os mísseis atingiram o seu alvo", o que parece desmentir as alegações sírias e russas de que parte significativa dos mísseis teria sido abatida pelas defesas antiaéreas sírias.

Já a Rússia, que durante a semana tinha ameaçado abater todos os mísseis lançados contra a Síria, optou por não acionar as temidas baterias antiaéreas S-400 que tem instaladas na Síria, evitando assim um confronto direto com os EUA e aliados. Moscovo confirmou ainda que esteve sempre em contacto direto com os EUA através da linha de ‘desconflitualização’ criada especialmente para o efeito.

Os ataques fizeram apenas três feridos civis, o que confirma a preocupação dos aliados em evitar baixas. Já os alvos atingidos foram completamente destruídos, conforme atestam as imagens divulgadas pela televisão síria.

SAIBA MAIS
1945
A Síria moderna nasceu das cinzas do império otomano após a Primeira Guerra Mundial, primeiro como parte do Mandato Francês da Palestina e do Líbano e, mais tarde, como estado independente a partir de 24 de outubro de 1945.

Dinastia presidencial
A Síria foi governada durante três décadas por Hafez al-Assad, pai do atual presidente. Ambos pertencem à minoria alauíta, que representa cerca de 15 por cento da população. A esmagadora maioria da população síria é muçulmana (87%), embora existam no país importantes comunidades cristãs (10%) e druzas (cerca de 3%).
Moscovo Assad Síria presidente dos EUA Douma Rússia ataque químico
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)