Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Rodrigues

Bilhete Postal

Esta é a campanha eleitoral mais dependente da televisão a que a democracia portuguesa já assistiu.

Carlos Rodrigues(carlosrodrigues@cmjornal.pt) 13 de Janeiro de 2022 às 00:33
As entrevistas aos líderes dos partidos e os debates em direto marcam o compasso do duelo eleitoral. A quase generalizada falta de ações de rua, devido principalmente à pandemia, vira as atenções exclusivamente para o palco televisivo.

Os espetáculos em que se transformaram alguns desses debates vão, ao que tudo indica, determinar o sentido de voto de muitos e muitos portugueses.

Ainda teremos de ver quais as implicações desta novidade política absoluta. Até porque, entre o último debate e a data das eleições, mediarão ainda duas semanas, sendo certo que nada garante que a intenção de voto registada agora seja concretizada nas urnas.

De alguma forma esta é a campanha eleitoral mais dependente da televisão a que a democracia portuguesa já assistiu. Nada de estranhar num País em que o Presidente da República é um antigo comentador televisivo.
Postal política eleições
Ver comentários