Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Acácio Pereira

Ano Novo

A nível nacional não tem havido resposta política à altura.

Acácio Pereira 4 de Janeiro de 2016 às 00:30
Quando um novo ano se inicia e a crise dos refugiados parece não ter fim à vista, importa lembrar que a segurança e eficácia no controlo das fronteiras é um pilar estruturante da segurança nacional e europeia. Não o é apenas ‘stricto senso’: é também um pilar do desenvolvimento social, cultural e económico, pois apenas fronteiras seguras permitem a liberdade de circulação nos países e na União Europeia. É este o nosso padrão civilizacional.

Infelizmente, no quadro nacional – e apesar dos sucessivos recordes no número de cidadãos que cruzam as fronteiras nacionais – não tem havido resposta política à altura. Em vez de apostar nos inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras – SEF, que são reconhecidamente dos melhores polícias que Portugal tem, perdeu-se tempo com manobras palacianas sem sentido para que a GNR passasse a ter responsabilidades no sistema de vigilância de fronteiras EUROSUR.

Foi um erro – e crasso! A única via é dar mais formação e reforçar as competências de quem já é bom. Burro velho não aprende línguas...
Acácio Pereira opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)