Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Alfredo Leite

A prova do medo

A incógnita será saber se o ataque vai interferir nos resultados.

Alfredo Leite(alfredoleite@cmjornal.pt) 22 de Abril de 2017 às 00:31
Ainda o atentado em Paris estava quente e já a candidata de extrema-direita às eleições presidenciais aproveitava para capitalizar votos à custa da morte e do medo no coração da capital francesa. Era de esperar. O terrorismo, que é hoje um tema central na sociedade francesa, quase só chegou à campanha na retórica populista de Marine Le Pen. Seria de esperar, por isso, que a líder da Frente Nacional aproveitasse para exibir os seus créditos anti-imigração, responsabilizando os restantes candidatos pela derrota da França na guerra contra o terrorismo.

Do lado do centrista Emmanuel Macron e do conservador François Fillon (envolvido numa polémica judicial por ter dado emprego a familiares), o silêncio também é compreensível. Seriam eles os mais prejudicados por um aproveitamento eleitoralista de um ataque com contornos de radicalismo islamita. Fillon é um candidato fragilizado e Macron terá tanto mais chances de manter a liderança nas sondagens quanto menos exposto a polémicas se colocar.

Será difícil que este atentado venha a interferir nas tendências de voto, mas essa é uma eventualidade que só vamos perceber no domingo. E se assim for significa que o vencedor destas eleições será o medo.
Paris Marine Le Pen François Fillon Frente Nacional França Emmanuel Macron política eleições
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)