Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Alfredo Leite

A vitória da derrota

Theresa May está a ser acossada pelos seus pares e pelos trabalhistas.

Alfredo Leite(alfredoleite@cmjornal.pt) 10 de Junho de 2017 às 00:30
Theresa May venceu as eleições no Reino Unido, mas na verdade a líder do Partido Conservador foi derrotada. E não foi a única.

Os britânicos também baixaram significativamente a confiança, expressa em votos, nos nacionalistas escoceses do SNP e reduziram à insignificância o ultranacionalista UKIP, artífice do Brexit. Indiferente à perda da maioria absoluta e ao falhanço da sua estratégia de antecipação de eleições, May segue em frente para a formação de Governo ficando refém dos unionistas da Irlanda do Norte que lhe viabilizarão a maioria parlamentar. Mas May não perdeu – apesar da vitória ténue – só porque viu a maioria parlamentar fugir-lhe.

Ainda os resultados oficiais não tinham sido divulgados e já alguns conservadores na Câmara dos Comuns pediam a sua demissão juntando-se ao líder trabalhista que também exigiu a cabeça de Theresa May.

Acossada pelos seus pares e com o trabalhista Jeremy Corbyn a tentar uma geringonça praticamente impossível que pudesse ser alternativa a May, anteveem-se dias conturbados para o Reino Unido com reflexos em várias frentes. A desvalorização imediata da libra foi apenas o primeiro sinal.
Ver comentários