Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Almeida Henriques

Prémios 2015

O combate ao inferno terrorista será, para o Ocidente, a causa do século.

Almeida Henriques 29 de Dezembro de 2015 às 00:30
O tempo é "um devorador de coisas", dizia o sábio grego! 2015 foi um ano veloz e voraz — para Portugal e para o mundo. "Devorador" de ideais, como o "europeu" (mais débil e desacreditado) e da paz, com o terrorismo a fazer a nova ordem mundial. "Devorador" de ideias-feitas e hábitos; de "muros", mas também de "pontes". Ao contrário do que prega António Costa, não temos hoje a sociedade portuguesa mais unida. Num exercício de luta contra a velocidade e a voragem do tempo, sucedem-se as sínteses anuais. O que nos marcou, perdemos ou alcançámos? Nas ‘Terras do Demo’, elejo os "acontecimentos" de 2015, a partir do meu ponto de observação. Porque só as raízes resistem ao tempo.

Prémio ‘A ver vamos’: Portugal 2020 e os novos fundos europeus (pelo 2º ano consecutivo). É cada vez mais um "bico de obra" do centralismo.

Prémio Coesão: a ligação aérea regular Bragança-Portimão, com a novidade da escala em Viseu. Liga o Centro-Norte Interior ao Sul Litoral. É uma medida concreta de coesão nacional.

Prémio Criação: António-Pedro Vasconcelos, pelo seu ‘Amor Impossível’, rodado em Viseu, numa descentralização do cinema.

Prémio Derrocada: BANIF. Mais um desmoronamento que se abate sobre os contribuintes. Uma mancha sobre as lideranças económicas, a regulação e a política.

Prémio Estatuto: Museu Nacional Grão Vasco. Elevado a 18 de maio, juntou Viseu ao restrito naipe de três cidades com um Museu Nacional.
Prémio Frase do Ano: "Isto não é bem um Governo, é uma geringonça", de Paulo Portas (citando Vasco Pulido Valente).

Prémio Geringonça: "troika" de Esquerda. Pode ser uma "inovação". E pode ser um artifício de poder ingovernável e danoso.

Prémio ‘Inominável’: o ataque terrorista no Bataclan. O combate ao inferno terrorista será, para o Ocidente, a causa do século.

Prémio ‘O anúncio da minha morte é manifestamente exagerado’: Catarina Martins e o seu BE.

Prémio Sucesso: os exportadores nacionais! Em 2015 (até setembro), aumentaram as expedições 5% face a 2014, consolidando o balanço comercial positivo em 24%. Uma boa herança que é uma responsabilidade para este Governo.

Prémio Vergonha: Volkswagen, pela gigantesca fraude em mais de 11 milhões de veículos, na manipulação de dados sobre as emissões de CO2.
Almeida Henriques opinião
Ver comentários