Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Almeida Henriques

Prémios 2015

O combate ao inferno terrorista será, para o Ocidente, a causa do século.

Almeida Henriques 29 de Dezembro de 2015 às 00:30
O tempo é "um devorador de coisas", dizia o sábio grego! 2015 foi um ano veloz e voraz — para Portugal e para o mundo. "Devorador" de ideais, como o "europeu" (mais débil e desacreditado) e da paz, com o terrorismo a fazer a nova ordem mundial. "Devorador" de ideias-feitas e hábitos; de "muros", mas também de "pontes". Ao contrário do que prega António Costa, não temos hoje a sociedade portuguesa mais unida. Num exercício de luta contra a velocidade e a voragem do tempo, sucedem-se as sínteses anuais. O que nos marcou, perdemos ou alcançámos? Nas ‘Terras do Demo’, elejo os "acontecimentos" de 2015, a partir do meu ponto de observação. Porque só as raízes resistem ao tempo.

Prémio ‘A ver vamos’: Portugal 2020 e os novos fundos europeus (pelo 2º ano consecutivo). É cada vez mais um "bico de obra" do centralismo.

Prémio Coesão: a ligação aérea regular Bragança-Portimão, com a novidade da escala em Viseu. Liga o Centro-Norte Interior ao Sul Litoral. É uma medida concreta de coesão nacional.

Prémio Criação: António-Pedro Vasconcelos, pelo seu ‘Amor Impossível’, rodado em Viseu, numa descentralização do cinema.

Prémio Derrocada: BANIF. Mais um desmoronamento que se abate sobre os contribuintes. Uma mancha sobre as lideranças económicas, a regulação e a política.

Prémio Estatuto: Museu Nacional Grão Vasco. Elevado a 18 de maio, juntou Viseu ao restrito naipe de três cidades com um Museu Nacional.
Prémio Frase do Ano: "Isto não é bem um Governo, é uma geringonça", de Paulo Portas (citando Vasco Pulido Valente).

Prémio Geringonça: "troika" de Esquerda. Pode ser uma "inovação". E pode ser um artifício de poder ingovernável e danoso.

Prémio ‘Inominável’: o ataque terrorista no Bataclan. O combate ao inferno terrorista será, para o Ocidente, a causa do século.

Prémio ‘O anúncio da minha morte é manifestamente exagerado’: Catarina Martins e o seu BE.

Prémio Sucesso: os exportadores nacionais! Em 2015 (até setembro), aumentaram as expedições 5% face a 2014, consolidando o balanço comercial positivo em 24%. Uma boa herança que é uma responsabilidade para este Governo.

Prémio Vergonha: Volkswagen, pela gigantesca fraude em mais de 11 milhões de veículos, na manipulação de dados sobre as emissões de CO2.
Almeida Henriques opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)