Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

António Jaime Martins

Cobranças à força

O estado demitiu-se de fazer e administrar a Justiça.

António Jaime Martins 1 de Junho de 2016 às 01:45
O progresso empresarial e a criação de emprego dependem das empresas conseguirem cobrar o preço dos produtos que vendem e dos serviços que prestam.

Com um Estado que paga tarde e a más horas. Com autarquias locais com dívidas monstruosas aos fornecedores e que os obriga a fazer acordos de pagamento plurianuais. Com uma máquina judicial de cobranças em completo naufrágio após a última reforma judiciária, com insuficiência de juízes de execução e de funcionários judiciais e milhares de execuções por tramitar. Com as cobranças dos particulares ao Estado e às autarquias locais a arrastarem-se durante muitos anos nos tribunais administrativos.

Tudo nos leva à única conclusão possível: o Estado demitiu-se de fazer e administrar a justiça em nome do povo. Na verdade, privatizou o mais que pôde e conseguiu a justiça. Desinvestiu nos tribunais de execução. Deixou convenientemente atrofiar os tribunais administrativos.

O resultado está à vista. Crescem as denúncias de situações de cobranças violentas, proliferam as empresas de agiotagem que fazem cobranças indevidas e aumentam as burlas com créditos inexistentes. Há que parar, repensar todo o sistema, voltar atrás e emendar a mão.
Justiça dívidas tribunais cobranças violência
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)