Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

António Sousa Homem

Elegia sobre o céu de Ponte de Lima

Na semana passada, a minha sobrinha Maria Luísa decidiu que nos levaria (aos dois) de passeio até Ponte de Lima.

António Sousa Homem 1 de Maio de 2016 às 01:45

Nos chamados "anos doirados", o velho casarão de Ponte de Lima era conhecido como a sede e arquivo da família, além de constituir – nas palavras do velho Doutor Homem, meu pai – um dos últimos redutos para um ser civilizado julgar-se a viver um século atrás.

Não cuidem os leitores desavisados que a expressão é depreciativa; pelo contrário: "viver um século atrás" seria (sempre nas palavras do velho Doutor Homem, meu pai) o desígnio de qualquer pessoa minimamente letrada, sensata e com algum apreço pela paisagem. Ponte Lima oferecia de tudo um pouco: ruínas, casarões, arvoredos, hortas e um clima ameno. A par disso, boa comida e um céu protector.

O velho Doutor Homem, meu pai, escolhia Ponte de Lima como poiso derradeiro das suas férias. Era lá, naquele casarão de fortes paredes de granito e de muros cobertos de trepadeiras onde despontava o perfume rosas de Santa Teresinha, que ouvia os seus discos de Anna Moffo, a soprano favorita e, mais do que isso, a incarnação da própria Lucia di Lammermoor, da Adina de ‘Elixir de Amor’, da Violetta de ‘La Traviatta’, da pobre Mimi de ‘La Bohème’.

Na verdade, naqueles meses de Agosto e canícula, Ponte de Lima fazia do velho Doutor Homem, meu pai, um cavalheiro inglês em férias na Toscânia, e proporcionava-lhe a sensação de ter recuado ao passado da sua própria felicidade.

Foi a estas lembranças que – na semana passada – eu próprio recuei, cerca de cinquenta anos depois, como se ouvisse ainda a voz da Tia Benedita, como se escutasse as corridas dos meus sobrinhos através dos canteiros dos jardins (mais tarde descobrimos que o velho Doutor Homem, meu pai, os corrompia com moedas de dez tostões a fim de arrancarem os gladíolos, às escondidas da nossa severa matriarca), como se os meus irmãos (éramos cinco) se apresentassem para o almoço de domingo e para a reunião anual da família, onde ainda cabia a jovialidade do Tio Alberto, o nosso gastrónomo e bibliófilo de São Pedro de Arcos.

O Dr. Paulo, que se juntou a nós numa das esplanadas da vila (ele acha que se trata de uma obsessão, dado que em Caminha é também costume visitarmos a esplanada da praça diante da Câmara), contribuiu para a melancolia geral: declarou que Ponte de Lima era como deviam ser as memórias das pessoas felizes.

António Sousa Homem Ponte de Lima Doutor Homem Santa Teresinha Anna Moffo Toscânia São Pedro de Arcos
Ver comentários