Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

António Sousa Homem

O velho mau feitio da Tia Benedita

O velho Doutor Homem, meu pai, achava que se devia à Tia Benedita mais do que o respeito pela sua idade (viveu até tarde, sobreviveu ao dr. Salazar, manteve todas as obsessões até ao final da vida, raramente pedia desculpa pelo que pensava sobre os outros); em seu entender devia-se-lhe uma homenagem por ser, na família, a última representante do mau feitio português, e ter mesmo conseguido suplantar o do meu bisavô Afonso Neves Homem, que – depois de uma noite de boémia patriótica em Macau – ameaçou invadir a China, entrando pelo Rio das Pérolas com uma frota de juncos carregados de dinamite e de homens armados de rifles e um canhão.

António Sousa Homem 24 de Abril de 2016 às 15:00

O caso foi dirimido localmente com chá e uma licença de quinze dias, mas – por graça – a família menciona o episódio como se o Império do Meio tivesse tremido diante da bravura empiteirada daquele fidalgo do Alto Minho e dos juncos que não chegaram a partir.

Foi também famoso o mau feitio do Tio André Bravo de Sousa Homem, parente dos Pizarro de Redial, vagamente relacionado com o senhor marquês de Chaves, e marido da Tia Inocência, que ainda cheguei a conhecer a meio da adolescência. A Tia Inocência tinha sido raptada à porta da igreja na qualidade de noiva, pelo Tio André – que a salvou de um casamento entediante. Foi, com toda a probabilidade, uma das uniões mais românticas e mais felizes da família.

Mas ninguém soube, como a Tia Benedita, aliar o mau feitio a um cinismo divertido e solene, o que fazia dela um ser huma- no tolerável e até divertido. Ela desconfiava do país ("Uma terra que gosta de malandros e pantomineiros."), desconfiava dos semelhantes e não confiava totalmente nos seus familiares, que tratava com alguma justificada sobranceria. Insensível à poesia, traumatizada pela República e rodeada de gente disposta a capitular diante das tentações da "democracia e do bolchevismo", a matriarca de Ponte de Lima seria, pelos padrões de hoje, uma feminista de exemplo e virtude, para quem os homens se dividiam entre canalhas (que tinham seduzido as mulheres), lorpas (que tinham sido seduzidos por mulheres) e pantomineiros (todos os outros). A minha sobrinha Maria Luísa, eleitora esquerdista da família, acha que a senhora seria uma figura apta para uma biografia a escrever por um destes autores que ela e o dr. Paulo gostam de ler. Felizmente nenhum deles viaja até ao Alto Minho para se encarregar da tarefa.

António Sousa Homem em certos aspectos
Ver comentários