Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Armando Esteves Pereira

20 mil milhões

A queda brutal do PIB tem vítimas com rosto. Pessoas que perdem rendimento.

Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 8 de Julho de 2020 às 00:34
A degradação das previsões económicas sobre Portugal mostram que o efeito da pandemia é muito pior do que o esperado na primavera. A cada dia que passa o cenário parece mais negro. O que Bruxelas diz é que Portugal vai ter uma queda de 9,8% da riqueza gerada, muito pior do que a desatualizada previsão inscrita pelo Governo no Orçamento Suplementar. Mas ninguém estranha que a queda do PIB atinja a casa dos dois dígitos. O coronavírus provocará este ano, no mínimo, um prejuízo de 20 mil milhões de euros à economia portuguesa. E por detrás deste buraco astronómico há vítimas com rosto. De uma forma ou de outra, todos nós pagaremos esta conta desastrosa. Mas alguns suportarão uma conta mais pesada com a extinção do emprego, o desaparecimento do negócio ou a erosão de clientes.

O facto de Portugal depender excessivamente do turismo torna o País mais vulnerável à pandemia. O setor que puxou pelo País na saída da crise anterior é agora o mais afetado. Bruxelas já prometeu um remédio para mitigar a crise. A injeção é inferior ao PIB perdido, mas tarda a chegar. Se o dinheiro de Bruxelas demorar a entrar na economia, há empresas viáveis e postos de trabalho que vão morrer por falta de socorro.
Bruxelas Portugal Governo PIB País economia negócios e finanças macroeconomia economia (geral)
Ver comentários