Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Assunção Cristas

A Lisboa esquecida dos bairros sociais

Impressionou-me saber que há mais de cem habitações fechadas à espera de obras.

Assunção Cristas 17 de Novembro de 2016 às 01:46
Na segunda-feira, percorri as ruas do bairro social da Cruz Vermelha e entrei nas casas de moradoras que de forma generosa me acolheram. Ouvi as suas preocupações e em muitos casos angústias.

Testemunhei as obras de reabilitação em falta; a humidade, que em vários casos compromete a saúde dos habitantes, nomeadamente crianças; a degradação de alguns edifícios, que possivelmente recomenda uma solução radical, como optar por edifícios novos (em construção parada mesmo em frente) e demolir os antigos.

Impressionou-me em particular saber que há mais de cem habitações fechadas à espera de obras para serem de novo atribuídas. E ouvir como, na aflição do momento, entrar nestas casas é a única solução que várias mães encontram para garantirem um tecto aos seus filhos.

É preciso haver regras, ninguém contesta e os moradores agradecem, mas informação e rapidez têm de ser as palavras de ordem. As regras têm de ser explicadas de forma clara e repetida sempre que há casas a atribuir. E a ação tem de ser rápida: não há justificação possível para uma casa ficar desabitada 4 anos e assim continuar há quase um ano depois de ter tido ocupação abusiva e despejo, como me foi relatado.

Vale o papel notável da associação de moradores e a entreajuda entre vizinhos, que se protegem em situações particularmente difíceis, neste bairro com mais de 10 mil pessoas.

Há uma Lisboa para lá das "salas de visitas" das fotografias bonitas e dos turistas. Esta Lisboa está no centro das nossas prioridades.

Borla fiscal às grandes empresas no Orçamento
As empresas que quiserem podem reavaliar e assim valorizar os seus ativos (imóveis, fábricas, linhas elétricas, refinarias etc.). Qual é a vantagem desta medida do Governo no OE? Para as empresas, pagar mais nos 3 próximos anos e muito menos nos seguintes. Quem ganha? Provavelmente as grandes empresas, que têm capacidade financeira para pagar mais à cabeça.

Quem perde? Todos os outros contribuintes que no futuro vão ter de tapar o buraco nos cofres do Estado. É como uma PPP ao contrário: nas PPP, os socialistas empurraram despesa para o futuro, agora encaixam receita já e criam um buraco daqui a uns anos.

Esta medida é particularmente injusta porque a valorização só vale para beneficiar as empresas no IRC, não as penaliza no IMI nem na contribuição do setor energético. Ganham novamente as grandes empresas. O CDS vai apresentar uma proposta para eliminar a medida. Veremos de que lado ficam o PCP e o BE, até agora bem caladinhos!

Parabéns às empresas exportadoras
Os bons resultados das exportações, que animaram a nossa economia no 3.º trimestre, devem-se ao trabalho diário e afincado de milhares de empresas e provam como este caminho é sólido. Investimento, exportações e consumo interno precisam de atenção. Mal andou o Governo quando pouco ou nada fez pelo investimento e pelas exportações e achou que tudo se resolvia pelo consumo. A realidade impôs-se.

Só há um responsável: o primeiro-ministro
O primeiro-ministro quer passar incólume no caso CGD. Para mim é ele o grande responsável. Seja por ter feito um acordo com a administração ao arrepio das exigências num Estado democrático e transparente, seja por permitir que tal fosse feito pelo seu Ministro, seja por ficar calado a assistir. Responsabilidade, transparência e coragem são valores que o PM parece não conhecer. Continuamos a aguardar explicações.

A voz serena das grandes questões da vida
Permanece entre nós a voz grave e serena, inconfundível, que nos interpela para as grandes questões da vida. Leonard Cohen continuará a convocar gerações que nas entrelinhas das suas letras lerão mais dúvidas que respostas, ao jeito de uma insaciável oração. Guardarei no topo das minhas melhores memórias a voz profunda que encheu a noite de lua grande, em 2008, no Passeio Marítimo de Algés.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)