Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Boss AC

A conspiração das vacas

A mensagem de 'Cowspiracy' é forte e urgente.

Boss AC 6 de Setembro de 2015 às 00:30

Esta semana, vi o documentário ambientalista ‘Cowspiracy’. O sucesso mundial, lançado em 2014, que já inspirou muitas pessoas a abdicarem de comer carne. A mim, por enquanto, inspirou a abdicar do tabaco. Felizmente nunca fumei.


O filme apresenta números e argumentos, que indicam que o maior culpado das emissões globais de gases poluentes com efeitos de estufa no nosso planeta é a agro-pecuária. A agricultura animal é apresentada como o grande responsável pela desflorestação do planeta e o maior consumidor de água potável da Terra. É a conspiração das vacas.


Segundo os dados apresentados, mesmo que acabássemos com todos os sistemas de transportes (carros, comboios, aviões, barcos, etc.), não seria o suficiente para reverter os danos de aquecimento global provocados pela criação de animais para a indústria das carnes e lacticínios.


Acontece que há tanto dinheiro envolvido que esta é uma verdade muito inconveniente para se aceitar. Até mesmo para organizações ambientais, sendo que muitas se recusaram a prestar declarações no âmbito deste documentário.


Confesso que dei por mim com um sentimento de culpa ao perceber que faço mais mal ao planeta ao comer um cozido à portuguesa do que a conduzir o meu carro. Tudo por causa das vacas e companhia, que produzem cerca de 150 vezes mais excrementos do que os humanos. O gás metano que libertam para a atmosfera é, literalmente, um problema de m*rda.


O filme, subtilmente (ou não), apela ao veganismo, movimento que por razões éticas exclui da sua alimentação todos os produtos de origem animal, bem como roupas e sapatos de pele e produtos que possam ter sido testados em animais. Os vegetarianos excluem a carne mas podem eventualmente consumir produtos lácteos e ovos.


A mensagem de ‘Cowspiracy’ é forte e urgente, no entanto, levada ao extremo pode fazer com se tenham atitudes radicais. Parece-me bastante utópico que se pense que, da noite para o dia, o planeta deixe de consumir carne e peixe.


A minha opinião de leigo que come carne há décadas é que é preciso moderação e isso significa uma dieta equilibrada. Ainda que, para alguns, isso possa significar ter um cheeseburguer em cada mão. Se diminuirmos o consumo de carne, principalmente carnes vermelhas, já podemos fazer uma imensa diferença no planeta. Já avisei a minha família que, na próxima vez que nos reunirmos para um churrasco familiar, da grelha só saem brócolos e beterrabas.
Se ao menos o frango assado fosse vegetal.
Boss AC crónica paz & amor revista Domingo Cowspiracy
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)