Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Bruno Figueiredo

Alertas que se repetem

Tema da escassez de recursos humanos na ASAE ganha mais força no verão.

Bruno Figueiredo 24 de Julho de 2017 às 00:30
Uma recente ação conjunta, visando o alojamento local, juntou 550 inspetores da Autoridade Tributária (AT) a 90 inspetores da ASAE, numa operação que incidiu sobre 3750 operadores.

Estes números revelam a enorme fragilidade da ASAE no plano dos recursos humanos. A AT, cuja competência de fiscalização naqueles operadores se esgota nas matérias de índole fiscal, mobilizou 550 inspetores; a ASAE, com obrigações acrescidas face às inúmeras matérias que lhe compete verificar em cada operador, mobilizou 90 inspetores – que representam perto de metade do efetivo que se encontra afeto à operacionalidade direta.

Embora gasto, este tema da escassez dos recursos humanos na ASAE tem força reforçada no verão.

Tome-se o caso do Algarve, onde apenas treze inspetores são responsáveis pela fiscalização de toda aquela área geográfica, com perto de 20 mil agentes económicos e mais de dois milhões de turistas.

É uma situação insustentável, com implicações, não apenas no plano operacional, mas também na vida pessoal e familiar dos próprios trabalhadores, a quem são exigidos esforços suplementares para dar resposta a todas as solicitações. Se fossem situações pontuais, consideraríamos aceitável. Mas não são.
Bruno Figueiredo opinião
Ver comentários