Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Anjos

O tempo da Defesa

Mudou-se o paradigma. Chega de criticar o tempo da investigação.

Carlos Anjos 13 de Outubro de 2017 às 00:30
O'Processo Marquês', que tem o seu epicentro no ex-primeiro-ministro José Sócrates, começou em 2014. Percebeu-se desde logo que era de elevada complexidade, sendo necessário obter documentação bancária em vários países e em diversos paraísos fiscais.

É assim uma investigação económico-financeira, onde o palco deste crime é o mundo inteiro - uma pessoa em Portugal pode criar e movimentar contas bancárias em todo o mundo. Pensar que um processo deste género pode estar concluído num ano é uma pura ilusão. Quem defende isto ou não percebe nada da arte ou está imbuído de má-fé, pois só pretende que a investigação fique incompleta e que ninguém possa ser responsabilizado.

Tenho para mim que a maioria das pessoas que criticam o longo tempo da investigação não querem que seja feita justiça. Querem apenas que se finja que se investiga.

Três anos depois, saiu a acusação. Mudou-se o paradigma. Chega de criticar o tempo da investigação.

Chegou o momento de contraditar os factos que nela estão demonstrados. Mostrar que são falsos. Esse é agora o trabalho dos arguidos. O resto é fumaça e desculpas de quem não tem nada para contraditar ou para negar.
Processo Marquês José Sócrates Portugal política questões sociais
Ver comentários