Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Anjos

Polícia belga

A investigação criminal na Bélgica foi dizimada, após o caso ‘dutroux’.

Carlos Anjos 25 de Março de 2016 às 00:57
Após os atentados de Paris e de Bruxelas, muitas são as críticas à polícia belga. Existiram erros, mas admirei- -me ouvir críticas de quem defendia a integração da PJ numa Polícia Nacional. A Bélgica, até final de 1997, tinha um sistema idêntico a Portugal, onde a investigação criminal e o combate ao terrorismo estava sediado da Polícia Judiciária belga.

Na sequência do caso de pedofilia ‘Dutroux’, fez-se uma reforma policial, criando-se Polícia Federal e polícias locais. A federal depende do governo federal e as 196 locais dependem dos burgomestres. A Polícia Federal resultou da junção da Gendarmerie, da Polícia Judiciária e das Polícias Comunal e dos Caminhos de ferro.

As competências são as de polícia judiciária e de polícia administrativa em domínios que ultrapassam o nível local. Já as das locais são o policiamento, intervenção, apoio à vítima, investigação criminal local, manutenção da ordem pública e segurança rodoviária. O resultado está à vista. A Investigação Criminal foi dizimada. Desde 1998, ocorreram na Bélgica mais de 10 atentados, o tráfico de armas acentuou-se e Mollenbeck tornou-se o ‘ninho de terroristas’. Isto foi a restruturação. Mas havia pessoas a dar a Bélgica como exemplo a seguir.
Paris Bruxelas PJ Polícia Nacional Bélgica Portugal Polícia Judiciária
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)