Sub-categorias

Notícia

Prazos cumpridos

Carlos Anjos

Prazos cumpridos

A PJ volta a provar que, quando não se inventa, as coisas correm bem.
  • 0
  • 0
Por Carlos Anjos|21.04.17
  • partilhe
  • 0
  • 0
Quando as coisas correm mal, somos muito duros nas críticas à investigação criminal, nomeadamente à investigação de crimes económicos, assentes na demora das investigações. Já quando as coisas correm bem, nada se diz. Parece que procuramos só o que está mal, procuramos o erro. É uma cultura do bota abaixo.

Soubemos recentemente que, na sequência de uma investigação da Unidade de Combate à Corrupção da PJ, o Ministério Público, através do DIAP de Lisboa, proferiu despacho de acusação num processo muito complexo, contra quarenta e seis arguidos, sendo que entre estes arguidos, estão pessoas individuais e pessoas coletivas, sendo que entre as pessoas individuais estão treze funcionários da Autoridade Tributária.

A esmagadora maioria destes arguidos foram acusados, entre outros, dos crimes de corrupção ativa e passiva para ato ilícito, tendo o Ministério Público proposto ainda a suspensão de funções para todos os funcionários da Inspeção Tributária. Desde o início da investigação até à acusação passaram cerca de dezoito meses. Quando não se inventa, as coisas acabam por correr bem. Mas depois das críticas era merecido o elogio, quer à PJ, quer ao Ministério Público.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)