Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Moedas

A Europa; Realidade e Percepção

Tenho sempre a sensação que temos um sentimento mais negativo do que a realidade em que vivemos.

Carlos Moedas 23 de Novembro de 2018 às 00:30

Esta semana a Comissão Europeia publicou o seu documento anual sobre o Crescimento Económico Europeu. É um documento árido e muitas vezes difícil de ler mas muito importante para repor os factos económicos relevantes.

Na minha posição tenho a oportunidade de contactar pessoas de todos os Países da União Europeia. É curioso constatar que há ainda uma percepção generalizada de que a Europa ainda está em crise económica.

É reflexo da grave crise que começou em 2008. Mas a verdade é que essa chamada "crise financeira" foi ultrapassada. Aliás, tenho sempre esta sensação nas minha visitas aos vários países europeus que temos um sentimento sempre mais negativo do que a realidade em que vivemos. Enquanto nos EUA sinto exatamente o contrário, as pessoas têm sempre um sentimento que é mais positivo do que a realidade em que vivem.

Esta diferença entre a realidade e a percepção é preocupante porque a percepção pode criar a sua própria realidade. Acresce que os populistas jogam exatamente neste desfasamento entre a realidade e as percepção para assustar as pessoas.

Veja-se o caso das migrações, em que tantos políticos continuam a assustar as pessoas com as entradas de refugiados e migrantes na Europa quando o pico de entradas foi em 2015 com 1 milhão de entradas e que desceu para 183.000 em 2017. Veja-se o caso dos partidos de extrema esquerda em Portugal que nunca admitiram que o país começou a crescer logo em 2013, durante o governo de Pedro Passos Coelho, porque fizemos os esforços necessários para hoje estarmos a crescer.

Vejamos então a realidade económica que temos hoje na Europa. Nos últimos 4 anos as empresas criaram mais de 12 milhões novos empregos na Europa. A taxa de desemprego média na UE está nos 6.8%, de regresso aos níveis anteriores à crise e estamos a entrar no sexto ano consecutivo de crescimento económico.

Há 4 anos, 11 países estavam no Procedimento de Défice Excessivos, isto é, com contas públicas desequilibradas. Hoje, todos sem exceção estão a cumprir a regra do deficit. E a dívida pública agregada da UE baixou cerca de 7 pontos percentuais.

Claro que ainda há um caminho a percorrer e muitas pessoas que ainda não saíram da realidade da crise. Claro que há ameaças no horizonte, como as guerras comerciais, que podem influenciar negativamente a nossa economia. Mas olhar para a realidade é importante – para que as nossas opiniões e expectativas tenham por base dados objectivos e factuais em vez dos gritos dos populistas.


Os daltónicos das fake news

Há uma semana, as redes sociais fizeram grande alarido a propósito de umas fotografias em que, alegadamente, se vê o Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker com sapatos de cores diferentes numa conferência de imprensa em Bruxelas na presença do Presidente sul- -africano. Rapidamente, alastra- -se pela Europa e chega a Portugal através de jornais, rádios e televisões. O tom jocoso e irónico da notícia era fácil.

A realidade porém é outra e bem menos interessante: tratou-se apenas de uma ilusão de óptica a partir de uma imagem de má qualidade. Uma análise rápida do vídeo e das imagens da reunião que antecedeu a conferência de imprensa teria permitido apurar facilmente a verdade. Mas não houve tempo nem vontade para isso e quando a Comissão Europeia reagiu, o mal estava feito e já se tinha alastrado como uma praga.
Somos todos diariamente confrontados com falsidades e manipulações que nos chegam através da internet. Umas parecem mais credíveis do que outras.

Um triste exemplo de que as fake news não são só na Rússia ou na Casa Branca. Estão também na Europa e aproveitam-se de um nada para descredibilizar intencionalmente o projeto europeu.


Galileo vai rivalizar com GPS
A UE está agora autori-zada a dar aos cidadãos e empresas ame-ricanas acesso aos sinais do sistema de navegação por saté-lite europeu Galileo. Serviços são para automóveis conectados, relógios inteligentes, agricultura ou navegação aérea. Os sinais do Galileo são mais precisos do que o americano GPS.

Excessos dos coletes amarelos
Qualquer democracia madura deve ter manifesta-ções. São po-rém inaceitáveis os excessos dos protestos em França contra o aumento dos combustíveis que fizeram 2 mortos e mais de 400 feridos. Se o elemento agregador destes protestos era ser anti- -Macron, a recuperação política pelas extremas descredibiliza as revindicações.

7,5 mil milhões de euros
É o valor da produção agrícola em Portugal em 2017, um aumento em relação a 2016. É uma subida acima da média da UE. O valor da produção agrícola aumentou em quase todos os Estados- -membros. A produção agrícola na UE é liderada pela França, Alemanha e Itália. Portugal está em 14.º.

Uma Europa que ...
Adota
Regras comuns de escrutínio sobre as aquisições por parte das empresas estran-geiras que visam os ativos estratégicos da Europa. permitem assim proteger as infraestruturas e tecnologias essenciais na UE, mantendo a UE aberta às oportunidades de negócio.


Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)