Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Rodrigues

Um Medina para a educação

Fraco líder faz fraca a forte gente, e as escolas paralisadas são o reflexo de um ministro perdido.

Carlos Rodrigues(carlosrodrigues@cmjornal.pt) 2 de Julho de 2020 às 00:32
As críticas de Medina às autoridades de saúde deixam Rui Rio em maus lençóis. Em poucas palavras, o autarca socialista de Lisboa faz oposição muito mais eficaz do que o PSD em meses. O tempo que teríamos poupado se não tivéssemos caído neste ambiente bafiento, em que ser político é sinónimo de estar de acordo com o poder. O consenso até pode ajudar, desde que seja fruto da crítica, que visa a correção.

Caso contrário, limita-se a adicionar ruína à ruína a que esta pandemia nos condena. Ora, se a sociedade começa a interiorizar as falhas graves que persistem na grande Lisboa, áreas há onde o choque ainda está por vir.

Na educação, por exemplo, ainda não há plano que se veja, nem para recuperar matérias, nem para garantir o próximo ano letivo, nem para dar a mão aos que ficam para trás. Fraco líder faz fraca a forte gente, e as escolas paralisadas são o reflexo de um ministro perdido.

Estamos a condenar milhares de crianças a atrasos pedagógicos irrecuperáveis, e criamos uma geração-Covid que se vai arrastar vida fora, perpetuando o fosso social sem qualquer esperança nem projeto. Não haverá por aí outro Medina, capaz de denunciar que também aqui o rei vai nu?
Lisboa Rui Rio Medina PSD política questões sociais partidos e movimentos autoridades locais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)