Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Paulo João Santos

Tragédia americana

Cada pedra arremessada é um voto a favor de Donald Trump.

Paulo João Santos 3 de Junho de 2020 às 00:33
As imagens que nos chegam da América não são bonitas. Carros incendiados, lojas saqueadas, confrontos. O caos a resvalar para a anarquia. Tudo por causa de um tal Derek Chauvin, sujeito profundamente desequilibrado, que assassinou brutalmente um cidadão, no meio da rua, à luz do dia. O joelho do polícia no pescoço de George Floyd, durante nove minutos, asfixiando-o até à morte, é das imagens mais arrepiantes desde que o Mundo é uma aldeia global. Aquilo não é a Polícia e um polícia não é aquilo.

A revolta é natural, compreensível, mas o rasto de destruição e violência, alimentado por um país em profunda crise económica devido à pandemia – só em abril, 20 milhões de americanos perderam o emprego - tira razão aos protestos. Não é pegando fogo às esquadras, roubando lojas, disparando contra a autoridade, transformando as ruas em campos de batalha, que a América se reencontra e muito menos se cumprirá o sonho eterno de Luther King.

Nem sequer a esperança dos muitos que querem ver Trump longe do poder. O povo ordeiro não gosta de desordem. Cada pedra arremessada, cada vidro estilhaçado, cada polícia ferido é um voto a seu favor, um passo para a reeleição.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)