Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Cabrita

Palmira e Nós

Nos Açores o ‘mordomo’ Durão Barroso abriu o caminho para o fim de Palmira.

Eduardo Cabrita 23 de Maio de 2015 às 00:30

Ontem na primeira página do ‘Le Monde’, do ‘Wall Street Journal’, do ‘La Repubblica’ e de muitos outros jornais internacionais estava uma imagem de uma cidade magnífica resplandecente ao Sol no meio do deserto. A foto era de Palmira, uma espantosa cidade-Estado no modelo grego, que foi local de encontro de culturas e entreposto essencial das caravanas que percorriam a rota da seda. Conquistada pelo romanos, chegou a ter uma resistente rainha Septímia Zenóbia a ser exibida em desfile majestoso em Roma como símbolo dos êxitos orientais do Império.

Palmira, na sua imponência, foi sempre orgulho multicultural de aramaicos, assírios, persas e árabes. Sobreviveu a séculos de Islão tolerante, mas está na iminência de desaparecer sob o fascismo medieval do chamado Estado islâmico, que está a devorar o Iraque e a Síria, tornados irrelevantes perante o desinteresse hipócrita do Ocidente.

Não sei por quanto tempo Palmira existirá e com ela morreremos todos um pouco. Em Portugal, o tema foi tratado como mais um episódio de um conflito permanente em paragens exóticas e sempre beligerantes. Os jornais estavam mais preocupados com os energúmenos paisanos ou fardados que acham que o futebol nacional é o maior
expoente da civilização, como aliás parece resultar da overdose de horas de emissão dada por todos os canais de informação com múltiplos comentadores e especialistas.

Quando Durão Barroso foi mordomo da Cimeira da Guerra do Iraque nos Açores, o caminho para o fim de Palmira foi aberto. A intervenção de vistas curtas na Líbia abriu o buraco negro em que prosperam as máfias que arrastam milhares de vítimas da miséria para a morte no Mediterrâneo. O atoleiro sírio está a conduzir o Ocidente à trágica ironia de ter como único aliado eficaz para travar o ISIS o Irão dos aiatolás.

Mas em Bruxelas, e para os talibãs da austeridade do Governo português, o grande problema é o dever de vergar a ousadia heterodoxa dos gregos e a urgência em acabar com a TAP contra tudo e contra todos.

A nossa riqueza é a de sermos filhos de Roma e do Al-Andalus que há seis séculos nos lançámos ao mar de Ceuta até Nagasaki. A nossa cabeça é greco-romana, mas o nosso coração é árabe e o nosso destino partir Mundo fora. Palmira, chamada a Veneza do deserto, somos todos nós.

Le Monde Wall Street Journal La Repubblica Palmira Septímia Zenóbia Roma Iraque Síria Portugal Durão Barroso
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)