Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Dâmaso

Gonçalo Amaral

A justiça para Gonçalo Amaral tardou mas chegou.

Eduardo Dâmaso(eduardodamaso@sabado.cofina.pt) 1 de Fevereiro de 2017 às 00:31
A justiça para Gonçalo Amaral tardou mas chegou. O antigo inspetor da PJ vê reconhecido pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) o seu direito à liberdade de expressão e, portanto, a defender o que sempre disse sobre o caso Maddie: a menina morreu num acidente em casa e o casal McCan ocultou o corpo simulando um rapto.

As duas decisões - da Relação de Lisboa e depois do STJ -, porém, representam muito mais do que a defesa da liberdade de expressão de Amaral. Elas dão um forte aval à investigação da PJ de Portimão, que foi alvo de pressões políticas e diabolizada mediaticamente.

Dez anos depois, sempre há um pouco de justiça neste infeliz caso.
Gonçalo Amaral PJ Supremo Tribunal de Justiça Maddie crime lei e justiça
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)