Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

F. Falcão-Machado

Religiões

Papa não tem poupado esforços para aproximar religiões.

F. Falcão-Machado 30 de Setembro de 2016 às 00:30
Nas páginas deste jornal Fernando Calado Rodrigues alertou, e bem, para a importância do ‘encontro das religiões’ que o Papa Francisco renovou há dias em Assis, terra de boa tradição franciscana. O último desses encontros ocorrera no mesmo local, ainda pela mão de João Paulo II e tentara dar seguimento ao velho sonho ecuménico de João XXIII. No fundo, pretende-se redesenhar um futuro institucional para a cristandade sem adulterar a essência da mensagem evangélica.

Ora, o Papa Francisco, há que reconhecer, não tem poupado esforços nesse sentido. Agora, em Assis, foi dispensada particular atenção às Igrejas orientais, vítimas inocentes dos conflitos que devastam o Médio Oriente. Igual atenção continua o Vaticano a dar aos graves problemas que a Igreja enfrenta há muito na República Popular da China. Aqui, a diplomacia papalina tem sido tão persistente quanto discreta e reforçada, certamente, pelo facto de ser o próprio secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin - aliás, de origens orientais - quem está a conduzir pessoalmente os contactos com Pequim.

O tema foi debatido em Assis, embora houvesse sido notada a ausência do Dalai Lama, que estivera presente no encontro anterior.
Ver comentários