Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernanda Cachão

Antes o puto que a tipa

Se fosse francesa votava duas vezes em Emmanuel Macron.

Fernanda Cachão 25 de Abril de 2017 às 00:30
Se fosse francesa votava duas vezes em Emmanuel Macron. Entre a filha que herdou do pai um partido de extrema-direita com alicerces em grupos neonazis, que depois quis lavar mais branco para governar a França, e o puto de 39 anos que foi ministro do tipo que ia visitar a amante de lambreta - antes o puto.

Estas eleições francesas, sem dissabores para as empresas de sondagens, confirmam aquilo que o sistema político anda a fazer a quem vota - servir doses maciças de desilusão.

O duopólio partidário está condenado mas isso não é necessariamente uma razão para rejubilarmos, se passarmos a ser governados por movimentos que não se sabe donde vêm nem para onde vão ou encostados à parede sempre pouco democrática muito à esquerda ou muito à direita.

Historicamente, os extremos sempre foram bons a pegar fogo à peça e em época de populismos em que um lusodescendente nos embaraça - Devin Nunes, o presidente da Comissão dos Serviços Secretos da Câmara dos Representantes da presidência de Donald Trump -, os políticos habituados a partilhar poder deviam rever a forma como servem a sua política e se servem de nós.
Ver comentários