Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernando Sobral

Tricolor

Elza Soares parece uma adolescente quando canta e encanta.

Fernando Sobral 30 de Janeiro de 2016 às 00:30
O Brasil entrou, quase oficialmente, numa nova era de depressão económica. Coisa inimaginável, muitas cidades brasileiras cancelaram os desfiles de Carnaval, porque não há dinheiro para pagar os festejos. Mas, povo optimista e que não dispensa a melodia e o ritmo, não deixa de continuar a fascinar-nos com a sua música. Foi apenas neste início de ano que consegui escutar um disco poderoso como poucos: ‘A Mulher do Fim do Mundo’, de Elza Soares. Elza não tem idade, talvez tenha uns 80 anos. Mas parece uma adolescente quando canta e encanta. É som tricolor no seu melhor.

A sua voz rouca é o melhor instrumento que podemos encontrar para escutar o som do Brasil que olha à volta, entre sonhos e pesadelos. Basta escutar estas canções que se entranham no nosso corpo e na nossa alma. Em ‘Maria da Vila Matilde’, Elza canta um samba contra a violência exercida sobre as mulheres. É um dos 11 temas que aquecem os nossos corações e que conta com a presença de muitos músicos da cena independente.

É um encontro de gerações de onde sai faísca criativa. Porque aqui se cruzam o samba e o rock’n’roll transfigurado pelas noites tropicais. Há temas muito duros, como ‘Benedita’, visão, através do olhar de um travesti, do submundo de crack e da violência urbana. Só o começo do disco é deslumbrante, com uma versão ‘a capella’ de um poema de um dos génios da poesia brasileira, Oswald de Andrade. É também um olhar sobre o passado: nos anos 60, Elza teve uma relação tempestuosa com uma das maiores estrelas do futebol brasileiro, Garrincha. É esse amor tricolor que continua na voz dela. 
Brasil Carnaval Maria da Vila Oswald de Andrade música A Mulher do Fim do Mundo Elza Soares
Ver comentários