Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco J. Gonçalves

O Estado das coisas

A guerra em Israel faz-se agora à faca.

Francisco J. Gonçalves 14 de Outubro de 2015 às 00:30
A guerra em Israel faz-se agora à faca. O governo do Estado judaico classifica os agressores como terroristas para assim iludir o essencial: Israel, país criado em terras roubadas, é um Estado com contas por saldar com a História.

Enquanto humilhar os palestinianos e não os tratar como seres humanos, não haverá paz. A violência que se abate sobre israelitas inocentes é sintoma do desespero de pessoas cansadas da violência de um poder ocupante.

O historiador israelita Zeev Sternhell resumiu a questão no ‘Le Monde’: "É contra a colonização contínua dos territórios conquistados em 1967 que se revoltam de novo os palestinianos. Percebem que a colonização visa perpetuar a inferioridade palestiniana e tornar irreversível a situação que nega ao seu povo os seus direitos fundamentais."

E o primeiro deles é o de viverem numa pátria que a expansão de Israel torna impossível. "Só o acordo da população local ao [dito] ‘retorno judeu’ poderia tê-lo dotado de um direito histórico possuidor de legitimidade moral", escreveu Shlomo Sand, outro judeu, num livro em que explica as anomalias da criação de Israel.
Israel guerra Palestina Zeev Sternhell Le Monde Shlomo Sand
Ver comentários