Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

A gratidão é uma porta que não se pode fechar.

Francisco José Viegas 11 de Maio de 2017 às 00:30
Eu era um miúdo de 25 anos e publicava o meu primeiro romance, ‘Regresso por Um Rio’. Baptista-Bastos elogiou-o em página inteira do ‘Diário Popular’ – nunca o esqueci ao longo destes 30 anos. A gratidão é uma porta que não se pode fechar, mesmo quando as nossas vidas (a minha, a de BB) se afastam e discordámos de quase tudo, exceto do essencial: o valor da amizade ou o gosto pelas palavras que falam da nossa vida.

A sua extensa e infelizmente subvalorizada vida literária passa por  ‘O Secreto Adeus’, de 1963, e vai até ‘Um Homem Parado no Inverno’ (1991), ‘O Cavalo a Tinta da China’ (1995) e ‘As Bicicletas em Setembro’ (2007), três belos, derradeiros e melancólicos livros. Pelo meio, uma vida de crónicas, jornalismo (magnífico entrevistador) e também cinema (colaborou em ‘Belarmino’, de Fernando Lopes), a que dedicou o livro ‘O Filme e o Realismo’ (de 1959). BB era como era (convicções fortes e amizades intensas), mas não excluía ninguém por razões políticas. Recordo com grande ternura um homem forte que viveu de braço dado com a literatura. E com gratidão.

-----

Citação do dia:
"As famílias portuguesas estão entre os maiores credores do Estado", Armando Esteves Pereira

Sugestão do dia: E. E. Cummings
‘O Quarto Enorme’, romance E. E. Cummings (1894-1962), é um ‘roadbook’ da modernidade, situado na 1.ª Guerra Mundial. Livro de culto cuja existência era segredada pelos grandes autores.
Ver comentários