Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

Em 1999, Alain Finkielkraut publicou um belo livro, ‘L’Ingratitude’ (‘A Ingratidão’).

Francisco José Viegas 28 de Setembro de 2017 às 00:30
Em 1999, Alain Finkielkraut publicou um belo livro, ‘L’Ingratitude’ (‘A Ingratidão’); nele lamentava que, por vários motivos, o homem contemporâneo já não se considerava um "herdeiro" mas um ser superior que considerava o passado um lugar de exclusão, de crimes, de preconceitos e de inutilidades. De certa maneira, tratava-se do caminho da indiferença, que anda de braço dado com a ingratidão.

A indiferença é o nosso mal-estar de hoje. Ela faz equivaler quase tudo: na vida política, mentira e verdade; na vida académica, o conhecimento e a fraude; na relação com os outros, o bem e o mal.

Na vida portuguesa (as eleições são um exemplo), a indiferença tomou conta do eleitorado, ao ponto de ninguém desatar a rir de promessas mirabolantes e impossíveis, de candidatos estapafúrdios, ou da subtil deslocação do assunto das próprias eleições, que são autárquicas e dizem respeito ao chamado poder local. Daqui a alguns anos pagaremos – e bem – o preço dessa indiferença e do excessivo gosto pela superficialidade.

O espírito do tempo tomou conta de nós todos, ignorando as lições do passado.

Citação do dia
"É sempre o munícipe quem paga a taxa municipal de  corrupção"
Eduardo Cintra Torres, ontem no CM

Sugestão do dia
EUGÉNIO DE REGRESSO
A Assírio & Alvim vai lançar a ‘Poesia’ de Eugénio de Andrade num monumental volume de 670 páginas prefaciadas por José Tolentino Mendonça. Mais uma oportunidade para não esquecer Eugénio.
Francisco José Viegas opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)