Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco Moita Flores

11/9 – 15 anos

Só as polícias têm vocação para destruir células terroristas. Não os exércitos.

Francisco Moita Flores 11 de Setembro de 2016 às 00:30
Faz hoje quinze anos que o Mundo mudou. O ataque terrorista da Al-Qaeda contra os Estados Unidos, destruindo as duas torres mais emblemáticas de Nova Iorque. Os milhares de mortos que daí resultaram, com o Mundo em choque, são ainda hoje motivo de lembrança e de rituais de evocação pelo país.

A brutalidade do ataque não só nos despertou para as novas formas de terrorismo apocalíptico, sem alvos militares ou políticos, como fundou uma nova história de atentados que, nos últimos tempos, atingiram vários países europeus e do resto do Mundo.

Se é verdade que as polícias reagiram com surpresa contra este novo tipo de atentados, bem longe daqueles que se fundavam em convicções políticas, ideológicas, separatistas e para os quais estavam preparadas, também é verdade que o 11 de Setembro acordou os senhores da guerra.

Ficará como a proclamação dos falcões, a célebre declaração de guerra de George Bush contra o inimigo invisível.

Era a primeira vez que exércitos iriam enfrentar exércitos invisíveis como se se tratasse de um filme de ficção. E a guerra começou. Primeiro no Afeganistão. Depois, para além do inimigo invisível, inventaram-se armas de destruição maciça, e o Iraque foi brutalizado. E às tantas, poucos eram aqueles que ainda não percebiam que esta guerra invisível não passava de uma conquista de territórios estratégicos, sobretudo de controlo político. E de petróleo. Já não existe caderno que aponte o número de mortos que o 11 de Setembro inaugurou por esse mundo fora. Nem quantos milhões fogem sem destino à violência da guerra. Nem mesmo agora, quando as polícias recuperaram da surpresa e se tornaram novamente competentes neste combate. Se o Mundo não estivesse em tão grande desnorte, já teria aprendido esta lição básica: não são exércitos que destroem células terroristas. Só as polícias têm vocação para tão complexa batalha. Que não é invisível, por sinal.
Francisco Moita Flores opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)