Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco Moita Flores

As ‘Gajinhas’

Catarina, Marisa e as manas Mortágua são inteligentes, intuitivas e politicamente argutas.

Francisco Moita Flores 14 de Fevereiro de 2016 às 00:30
Catarina Martins continua a subir nas sondagens, reflexo da crescente popularidade do Bloco de Esquerda. A condescendência e, até, a ordinarice com que algumas vezes são tratadas as mulheres que dão a cara pelo BE são reflexos da ideologia dominante de que a boa política é coisa para homens. Catarina, Marisa, as manas Mortágua tornam-se nesse caldo de narcisismo e machismo indomesticável de gente atrevida que ousa partir ordens ancestrais de poder exercidas no masculino.

A verdade é que o BE vai consolidando, desfazendo o PC e mobilizando votos do PS e também do PSD. É por serem mulheres que este êxito se afirma? É por serem ‘carinhas larocas’? É por serem umas ‘gajinhas giras’? Ou, lembrando Pedro Arroja, ‘mulheres insuportáveis’? Tenho para mim que se deve ao facto de serem pessoas inteligentes, politicamente argutas, cuja intuição lhes permite captar o descontentamento e mobilizar entusiasmos que a política dos homens não consegue. Cada vez mais afastadas dos pedregulhos ideológicos carregados por Louçã e Fazenda, têm construído paulatinamente uma imagem de esquerda de cara lavada, sem medo de ser poder, taticamente versáteis.

O acordo de governo com o PS tem revelado isso. Conseguiram aquilo que era o seu objetivo político, obrigando Costa a uma série de compromissos e cedências, e disparando contra o governo quando o negócio não agrada. O Bloco pode reclamar grandes vitórias no domínio dos salários e da proteção social e pode atribuir ao aliado o papel de mau da fita quando lhe convém. Elas são a lufada de ar fresco do BE e a muleta futura do PS. Uma espécie de Portugal à Frente de esquerda. Enquanto os homens, desorientados, procuram tirar de velhas gavetas a social-democracia e o socialismo que durante anos espezinharam. Não vai faltar muito para que se confirme eleitoralmente. Mais uns meses. Quando chegarem as próximas intercalares.
Francisco Moita Flores opinião
Ver comentários