Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Helena Garrido

O mesmo filme?

Mário Centeno comprometeu-se com mais medidas. já vimos este filme.

Helena Garrido 12 de Fevereiro de 2016 às 00:30
A acentuada subida dos juros da dívida portuguesa não são obviamente a causa. São a consequência de termos regressado ao campo de visão dos investidores em tempos de tempestade financeira. Estamos a terminar a pior semana do ano dos mercados, com as bolsas a afundarem e os investidores a refugiarem-se em activos com maior protecção, como o ouro ou os títulos alemães de dívida pública.

A tempestade chegou na pior altura para Portugal. O Governo de António Costa merecia à partida a desconfiança dos investidores por ser apoiado, como se lê nos jornais financeiros internacionais, por um partido "radical de esquerda e pelos comunistas". A negociação em praça pública das contas para 2016, com Bruxelas a exigir mais medidas que o Governo acabou por dar, agravaram ainda mais a desconfiança. O Orçamento teve luz verde da Comissão Europeia mas com o selo de "risco de incumprimento". Conseguiu-se evitar o pior e inédito cenário: a devolução da proposta. Eis que o Eurogrupo, no dia da tempestade, vem dizer que Portugal aceitou preparar mais medidas. E assim fomos apanhados pela tempestade. Será que chegam estas "mais medidas" ou vamos entrar na espiral do "PEC IV"?
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)